O assediador Pedro Guimarães, digno representante das forças que se instalaram no poder, depois do golpe contra Dilma Rousseff, não deixou por menos. Mesmo que, para obter benefício ilegal e imoral, tivesse que alterar o slogan da CEF. Trocou Caixa por cada. E pôs dinheiro dos outros na iluminação de seu jardim. Um jardim de delícias.

0 visualização0 comentário

Calou mal e pode ser um sinal de alerta a leitura do pedido de criação da CPI do MEC , no Senado. Presidente da Casa, o governists Rodrigo Pacheco anunciou o resultado de sua influência no processo: obteve do colégio de líderes apoio para só fazer a Comissão funcionar depois da eleição de outubro. Quando investigações são evitadas, boas coisas não são escondidas. O que equivale dizer: uma confissão inequívoca de que há muito a esconder. Duvido que o STF arrisque forçar o funcionamento imediato da Comissão.

0 visualização0 comentário

Abundam obras artísticas voltadas ao estudo de períodos históricos limitados. Desde o filme Tempos Modernos, em que Chaplin mostrou com extraordinária lucidez a ameaça da máquina ao Homem e à sociedade por ele construída, produziram-se outras obras, em especial literárias. Umas, explicitando logo no título a preocupação predominante. O historiador Eric Hobsbawn assina muitas dessas obras, mas não são raros os que se dedicam a caracterizar os absurdos tempos em que vivemos. Se o historiador britânico nos ajuda a entender o mundo contemporâneo com suas Era das Revoluções, Era do Capital, Era dos Impérios e Era do Paradoxo, de outros podem ser mencionados textos preocupados em fazer-nos compreender as relações sociais que nos trouxeram à lamentável realidade de hoje. No Brasil, uma espécie de retorno à caverna, lugar em que prosperam as comunidades de morcegos. Sempre empenhados em sugar o sangue dos humanos. Quem desdenha do passado e se nega a estudá-lo, não tem a mínima condição de construir o futuro. Uma espécie de cegueira por opção, como vimos testemunhando. Pior, um mal que parece epidêmico, tal o número dos que o imitam e seguem, às vezes de maneira fanática. Não fosse o fanatismo, por si só, sinal de padecimento mental...

0 visualização0 comentário