Atualidade

Em 2015, a jornalista ucraniana Svetlana Alexseievitch foi premiada com o Nobel de Literatura. Pesou na escolha o livro AS ÚLTIMAS TESTEMUNHAS, cuja tradução foi publicada no Brasil pela Companhia das Letras. Causou-me tal impacto a leitura dos depoimentos parcialmente transcritos pela escritora, daí considera-lo uma convocação e um desafio. A convocação não apenas aos leitores, mas a todas as pessoas às quais a guerra repugna. O desafio, a mim mesmo. Neste caso, ao engajamento em atividades que, com armas diferentes das que matam, chamem a atenção para os horrores da guerra. Assim, já entreguei à editora Scortecci os originais de NADA É(NEM SERÁ) TÃO FEIO. Prefaciado pelo Professor da UNICAMP e dos mais respeitados críticos literários brasileiros, Márcio Seligmann-Silva, o livro ganhou em opoturnidade, com a crise entre a Ucrânia e a Rússia. Lamentável oportunidade! É esperar para conferir.



27 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Biblioteca Nacional homenageou a violência e reverenciou a barbárie, ao conceder a medalha da ordem do mérito do livro ao deputado condenado pelo STF Daniel da Silveira. Tanto quanto se sabe, e a co

Interessados em cinema, como produtores e diretores mais que espectadores, não terão muita dificuldade, se quiserem lançar filme de violência, mesmo se um bang-bang nos moldes tradicionais. Pelo menos

O qualificativo inscrito no título dá o tamanho da bossalidade que tomou conta do País, sem fazer economia. Tudo feito segundo o modelo de caixa em que se enrolam e embrulham os mais representativos a