top of page

Manobras

Obras e manobras não são apenas uma rima pobre. Umas e outras se ligam por fatores, peculiaridades e vícios nem sempre percebidos. Diversas, e possivelmente contraditórias, as reações ao anúncio de que aumentam as chances da reconstrução do trecho do meio da BR-319 revelam a intimidade entre as duas expressões. Do que é divulgado, dá para chegar a algumas conclusões. Se tudo mudar, ninguém se surpreenda. Afinal, nada é tão sólido que o ar fique impossibilitado de desmanchar. Concluído o trabalho de grupo técnico criado pelo Ministério dos Transportes, sabe-se das 25 condicionantes estabelecidas, para viabilizar a obra. Dentre essas condicionantes, que no ambiente jurídico se tem chamado medidas procrastinatórias ou chicanas, a apresentação do Plano Básico Socioambiental, o Inventário Florestal, o Diagnóstico Socioambiental Participativo, os Programas Básicos Ambientais do Componente Indígena e o Programa de Compensação Ambiental, revisado. O professor Augusto César Rocha, da UFAM e coordenador da Comissão de Logística do CIEAM considera essenciais os condicionamentos impostos pelo Ministério. Ratifica, assim, sua posição sempre serena, quando o assunto é discutido. É, dentre seus pares, dos que se mostram mais sensíveis aos resultados sociais de projetos assemelhados, executados ou em execução. Na Amazônia, mas não apenas nesta Região. Para o laureado cientista Philip Fearnside (INPA) um dos premiados com o Prêmio Nobel, o relatório do grupo quer apenas viabilizar a obra, como o silêncio sobre fenômenos dignos de atenção o revela. Dá exemplos: o desmatamento crescente em Roraima e a abertura de vicinais, entre a BR-319 e Tapauá e Coari. Aqui cabe lembrar ser impossível negar a viabilidade técnica (atentemos para a expressão!) da estrada. Para isso a tecnologia tem resposta pronta. Não é esse, contudo, o cerne da questão. A região em que ela foi originalmente aberta e sucessivamente destruída e invadida, e os que habitam as suas margens e avançam em direção à floresta deve constituir a grande preocupação das autoridades e das populações. Trata-se, portanto, da viabilidade social, humana - humanitária, para usar termo atualíssimo. Ou me engano, ao buscar inspiração em tragédias como as de Mariana, Brumadinho e Rio Grande do Sul, para ficar nas mais emblemáticas? O papel aceita tudo, desde os rabiscos que fizeram a fama de Picasso, Ziraldo e Dali até os belos projetos de Oscar Niemeyer e Burle Marx. Também os compromissos das empresas que levaram às tragédias acima indicadas. Se estamos sob inegável crise ambiental e os riscos nos põem diante de uma tragédia iminente, isso não pode estar fora da cogitação dos que tratam do assunto.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mudanças conceituais

Vivemos em um mundo em permanente mudança. Não há um só dia em que algo não mude, em todo lugar. As alterações da natureza, em geral lentas, ajudam a caracterizar períodos geológicos e se medem em esc

É possível uma sociedade diferente

As recentes eleições no Reino Unido e na França fizeram renascer sonhos que pareciam sepultados. Por enquanto, as avaliações se têm prendido aos números, sem que emerjam e ganhem a luz solar questões

A sede do reacionarismo

Balneário Camboriú reuniu o que há de mais retrógrado no pensamento político do Brasil e de algumas outras nações. Maior destaque foi dado ao Presidente da Argentina, Javier Milei, e não sem razão. A

Comments


bottom of page