top of page

Macacos e seus galhos

Na contramão da História, o governador fluminense de São Paulo decidiu fazer das escolas quartéis para jovens. Muitas, crianças, ainda. Seu colega e irmão ideológico do Paraná, um rato sobretudo ainda que minúsculo - sobretudo, de novo - parece ter saído na frente. Quando a sociedade reclama o respeito aos direitos humanos e a oportunidade de favorecer o desenvolvimento de todas as potencialidades das crianças e jovens, esses dois expoentes da extrema direita nacional rumam no sentido contrário. E fazem lembrar a campanha civilista conduzida por Ruy Barbosa, diante do militarismo ameaçador das primeiras décadas do século passado. Duas grandes guerras depois, e evidenciadas as dificuldades de o ambiente da caserna ser levado com êxito à sociedade em geral, a ideia anacrônica e hostil ao processo civilizatório parece retomar a força de que era dotada, no início do século XX. Não é desimportante o papel, nem sempre dispensáveis os serviços que os militares profissionais podem prestar em favor da população e do País. Como não o é a contribuição de professores, médicos, garis e vigilantes civis, em suas específicas capacidades. O combo civilismo-militarização, no entanto, nada anuncia de promissor, porque, rigorosamente, constitui uma contradição fundamental. Se na caserna a disciplina e a hierarquia asseguram condições mínimas de bom exercício profissional, o mesmo não ocorre em instituições educacionais. Nestas, quanto maior a liberdade, a hierarquia cedendo lugar à cooperação desatada de restrições, maior a probabilidade de sadio e efetivo aprendizado. Tanto quanto o êxito da profissão militar pode ser atribuído a genuíno esforço de adestramento, não é disso que se deve tratar, nas escolas civis. Nestas, o grau de liberdade há de sempre gerar resultados mais produtivos e úteis à sociedade. Se cada macaco, tenha o tamanho que tiver, contentar-se com o próprio galho, educação e segurança conquistarão melhores resultados. E desempenharão com dignidade e rigor democrático suas funções específicas. Sem desdouro para a educação e para as organizações militares, mantidas dentro dos espaços que a Constituição lhes reserva.


34 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mudanças conceituais

Vivemos em um mundo em permanente mudança. Não há um só dia em que algo não mude, em todo lugar. As alterações da natureza, em geral lentas, ajudam a caracterizar períodos geológicos e se medem em esc

É possível uma sociedade diferente

As recentes eleições no Reino Unido e na França fizeram renascer sonhos que pareciam sepultados. Por enquanto, as avaliações se têm prendido aos números, sem que emerjam e ganhem a luz solar questões

A sede do reacionarismo

Balneário Camboriú reuniu o que há de mais retrógrado no pensamento político do Brasil e de algumas outras nações. Maior destaque foi dado ao Presidente da Argentina, Javier Milei, e não sem razão. A

Comentários


bottom of page