top of page

Fundamentos

Cria-se uma confusão inconsequente, porque o Presidente da República deseja arrecadar 6 bilhões concedidos a determinados setores econômicos. Parece unânime o interesse em ver equilibradas as contas públicas nacionais. Ledo e Ivo engano! O veto presidencial relativo ao que se tem chamado desoneração tem uma razão que interessa a todos os brasileiros. Se os beneficiários diretos são uns poucos, os que consomem seus produtos somos potencialmente todos. Configura-se, portanto, um embate: alguns X todos. Ademais, a experiência é pouco propícia à derrubada do veto. Tantas são as vezes em que os benefícios não têm oxigênio suficiente para fazê-los chegar ao consumidor final, que renunciar a 6 bilhões a troco de nada beira a simples loucura. Com uma diferença: os loucos não o são por preferência. Alegação costumeiramente apresentada, a manutenção ou a geração de empregos não passa de um sofisma. Empregos não são criados porque a pretensão dos empregadores está na defesa da vida digna e independente dos trabalhadores e suas famílias. Como dizem os que se orgulham de sua posição na comunidade do patronato, o objetivo maior (às vezes absolutamente exclusivo) da empresa é dar lucro para os detentores do capital. Daí os salários aviltantes pagos e, não raro, a sonegação fiscal e a omissão no cumprimento de obrigações sociais, em que se destacam as condições materiais e psicológicas impostas à mão-de-obra. Para obter acesso fácil ao financiamento de suas atividades, os ganhadores de dinheiro recorrem a empréstimos ou outras formas (cartões de crédito, por exemplo) sob taxas de juros escorchantes, que recente decisão do Conselho Monetário Nacional limitou. Para conceder salários dignos, no entanto, não há a menor disposição. Coloca-se, a esta altura, uma aparente contradição: se antes se dizia que taxas de juros não podem ser estabelecidas por decreto (imagine-se por uma simples resolução!), por que admitir que o valor do salário seja menor que o estatuído pela Consideração - capaz de pagar todas as despesas do trabalhador sobrevivente? A mão invisível a que recorrem os ganhadores de dinheiro (chama-los de empresários seria ofensa irreparável aos que realmente o são) começa a dar sinais de que perde o pulso. Ainda mais se observarmos ser uma resolução, parta de onde partir, menos que um dispositivo constitucional. Pelo menos, num Estado Democrático de Direito.



10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Prioridades

Pelo menos não se pode acusar o governador Eduardo Leite de insincero. É possível que nele se tenha manifestado o que meu velho e saudoso mestre de Direito Penal Aldebaro Klautau chamava oasis de honr

Pedagogia da porrada

A aprovação das chamadas escolas cívico-militares, pela Assembleia Legislativa de São Paulo deixou sua marca e, ao mesmo tempo, um presságio. Deu para ver cassetetes empunhados por policiais militares

Naufrágio semTitanic

É mais rápida a disseminação da mentira, comparada à divulgação da verdade. Ainda mais, quando o avanço tecnológico coloca à disposição dos mentirosos meios que asseguram, concomitantemente, anonimato

コメント


bottom of page