top of page

Acham pouco

Sou do tempo em que aos guarda-civis cabia a vigilância nas cidades. Tais servidores tanto guardavam os prédios públicos, cuidando para que eles não sofressem ataque e depredação, como ocorreu com o Palácio do Planalto, em 8 de janeiro, quanto intervinham em incidentes que envolviam os munícipes. À noite, era frequente ouvir-se o trinado de apitos com que os guardas noturnos comunicavam-se uns com os outros. Se alguns moradores tinham seu sono perturbado, outros experimentavam a sensação de que o poder público lhes assistia mesmo enquanto dormiam. Sem qualquer pretensão saudosista, descrevo essa situação para compara-la com a realidade que construimos e em que vivemos. Melhor seria dizer convivemos, mas sobreviver é o verbo mais adequado, quando a morte - o medo dela e a gana por produzi-la - é a inspiradora da conduta de muitos. Dentre esses, parlamentares que acham inexpressiva, desprezível quase, a violência presente, todo dia, dia e noite, em todas as cidades brasileiras. Justamente considerados membros da bancada da bala, não perdem a oportunidade de revelar suas trágicas e infelizes intenções. Um deles, conhecido por nome referido às atividades anteriores ao (maldito) mandato que lhe foi conferido, propõe a ampliação das obrigações das guardas municipais. Se o projeto de emenda constitucional por ele apresentado for aprovado, não será o som dos apitos que acordará os moradores das cidades brasileiras; o barulho da detonação assassina não permitirá que se durma. A reprodução do que ocorre nos morros do Rio de Janeiro, na periferia de São Paulo e em muitas outras cidades brasileiras. Será lucro, se ao fim de cada intervenção da guarda municipal não se contarem mortos cada dia mais numerosos. Por balas perdidas, dirão os promotores da violência. Alguns dos quais, amealhando outro tipo de lucro. Guardem o nome do deputado. Sargento Portugal, do Podemos-RJ.

104 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Justiça de Salomão

Antes, o mago de Maringá provou do veneno saído dos porões por ele frequentado. E dirigido. Depois, tentou ganhar posição que reduzisse a quase zero a probabilidade de fugir às suas responsabilidades.

Espetáculo moleque

Antes, chamavam-se de molecagem condutas como a de Joe Biden. Tentando posar de pacifista, empresta apoio político e fornece armas para Israel. A rigor, nada que possa surpreender os que acompanham a

O Brasil e a guerra

Terminada a II Grande Guerra, talvez nunca estivemos tão próximo de um novo conflito bélico global, quanto hoje. Mesmo a crise gerada pela instalação de foguetes da União Soviética em Cuba (1962) não

Comentarios


bottom of page