top of page

Amor de Pai

Ruy da Fonseca.


Na mesa, me servi menos pra deixar mais pra ele.

Trabalhei mais, fiz horas extras, para poder pagar uma escola melhor pra ele.

Deixei de sair nos fins de semana, de ver os amigos, para poder comprar uma roupa melhor pra ele.

Não tirei férias, adiei as viagens, para dar um pouco de aventura pra ele.

Não deixei de o consolar, quando chorava, mesmo sem saber o porquê.

E não esqueci nunca de pentear com os dedos seus cabelos desalinhados.

Afinal, ele é meu filho.


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Orlando homenageia Herbert Baldus

Entrevista Olá Orlando. É um prazer contar, novamente, com a sua participação na Revista do Livro da Scortecci. Do que trata o seu Livro? Homenagear o antropólogo teuto-brasileiro Herbert Baldus media

🦉🦉🦉Alis grave nil

Com a morte de Ziraldo (1932-2024) o Brasil perde o traço de quem pensava com as mãos e desenhava com a leveza mental e inventiva de um menino maluquinho. Os traços libertários e inconcessivos de Zira

Comments


bottom of page