top of page

Sem mato e sem cachorro

Cassar sempre será mais fácil que caçar. Nesta, precisa-se ter cachorro (à falta dele, gato serve). Na outra, o verbo substitui com vantagem o substantivo: matar é diferente de manter a mata. O cão necessário está na mão. Nesta, o revólver. Que não é a única fonte do fogo que se espalha. E a Amazônia, oh, desertificando-se! Disso já se sabe, e o próprio vice-Presidente Hamilton Mourão já admite, porque o Instituto Nacional de Pesquisa Espacial - INPE, o atesta: o desmatamento da Amazônia cresceu 34%, entre 2018-2019. O Pará, paraíso dos desmatadores, fez corte raso em mais de 40% da área desmatada em toda a região, sendo que os Estados do Tocantins (0,23%) e Amapá (0,32%) foram os que menos desmataram. Pará, Amazônia, Mato Grosso e Rondônia respondem por quase 85% do total, cerca de 10.000 hectares devastados. Mata, assim, no dialeto regional representa mais um tempo e modo verbais que um substantivo. Pelo menos, na gramática dos que mandam.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Dentro do script

Emmanuel Macron conseguiu eleger a nova Presidente da Assembleia Nacional francesa, Yael Braun-Pivet. Derrotado pela esquerda e pela direita, ainda assim, Macron cometeu a façanha. É quase certo que f

Hibridismo

O lado direitista de Nicolás Maduro acabou aparecendo. Ao usar o medo como instrumento de persuasão, o Presidente venezuelano não faz diferente do que faz a direita. E acaba confirmando o que dizem de

Mandatos pró-ambiente

PSOL e Rede inscreverão 11 de seus filiados para concorrer nas próximas eleições municipais. Eles são candidatos a uma vaga coletiva, para defender o meio ambiente, diante da degradação por que passa

Comments


bottom of page