QUEM É CONTRA O "POLITICAMENTE CORRETO"?

Vejo com perplexidade a desfaçatez de muita gente alfabetizada em atribuir ao "politicamente correto" uma forma autoritária de imposição do discurso e da prática. Mas não perdura meu estranhamento quando reconheço o que se esconde por trás do debate.

Podemos dizer que Politicamente Correto é toda conduta que busca estabelecer uma relação de respeito entre os individuos numa sociedade, reconhecendo suas diferenças e primando pelo pleno desenvolvimento das suas humanidades.

Neste sentido, não só o termo como a prática incomoda quem se põe na contramão do preconceito, do racismo, da misoginia e de toda conduta desumana.

O Politicamente Correto é combatido em defesa daquilo que é social e humanamente reprovável, seja por uma prática preconceituosa ou por um discurso que reproduz essa prática.

É possível, também, abstrair do termo e de suas conexões de ação que a Política está posta de acordo com a máxima aristotélica de que todo indivíduo é um animal político. Aqui o Político é uma prática social e não exclusivamente do Estado, como séculos depois definiu Maquiavel. Não se indica o Politicamente Correto a conduta voltada para o poder, seu exercício e conquista, mas para as condutas socialmente reconhecidas.

É óbvio que rechaço os absurdos e o equívoco em cunhar como Politicamente Correto aquilo que não tem importância coletiva, como também rechaço o interesse em tornar o termo objeto de ironia descabida.

É melhor criar boas práticas de respeito e tolerância do que reproduzir aquilo que fez este mundo um habitat de apequenamento do ser humano.


Lúcio Carril

Sociólogo

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A POESIA NO PARÁ

Orlando SAMPAIO SILVA Esta é uma relação ou uma listagem parcial de poetas que, se não são todos nascidos no Pará, todos têm pertencimentos de várias ordens com o Estado nortista. Vamos a eles: - AUGU

Por que celebrar Daniel Coelho de Souza?

Parte IV Pois bem, decorridos exatos 70 anos da publicação de Interpretação e Democracia, permanece no ponto crítico em que se encontrava, desde então, a velha disputa entre judiciaristas e parlamenta

A Razão da primavera

É verdade: sou um romântico. E não pretendo abrir mão disso que considero uma qualidade humana. Escrevo em resposta àqueles que pensam estar desqualificando meu discurso me chamando de romântico. O fa

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.