top of page

Puxassacos e borrabotas

Expressões de frequente e corrente uso na minha infância, as do título ainda não se tornaram raras. Desaparecer por completo, impossível, enquanto houver um oitentão ainda vivo. Ainda menos, se há boa memória. A quase invisibilidade a que foram ambas relegadas só pode ser explicada porque o comportamento a que se referem tornou-se aquilo que se chama normalidade. Como destacou um jornalista notabilizado por sua atuação no Amazonas, quem não puxa saco, puxa carroça. Uma espécie de frase autobiográfica. Aplicável, porém, a numerosos outros casos e histórias pessoais. Nada de admirar, quando o retorno à barbárie segue em marcha batida. Borrabotas - quantas vezes ouvi meu pai dize-lo! - é qualificativo composto do verbo borrar (em especial, pelo produto do intestino) e o destino do excremento, os calçados do assim qualificado. Não é difícil entender certa proximidade entre um e outro, o puxassacos convencido de sua inaptidão ou incompetência e o covarde, que ao primeiro grito detona o processo excretor. Talvez venha daí certa estima pelas armas. Uma espécie de compensação à fragilidade e carência de qualidades capazes de colocar seus portadores no rol daqueles que meu otimismo chama seres humanos. Ou seja, os classificados no cada dia mais raro grupo dos que têm méritos que funcionam como antídotos - à subserviência e à covardia.

44 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Nem bancada é necessária

A repercussão do tiro que feriu a orelha de Donald Trump vem carregada de dúvidas e suspeitas. A leitura dos mais influentes meios de comunicação dos Estados Unidos da América do Norte gera, no mínimo

Uns e outros

E necessário insistir: governos não erram, apenas escolhem os beneficiários de suas decisões. Alguns, como o do triPresidente Lula, têm que se submeter a práticas viciadas e danosas à sociedade. Mesmo

A soberania transferida

Muito se tem discutido a respeito do papel do Banco Central. Não o suficiente, porém, para permitir julgamento e manifestações destituídos dos valores e interesses postos em jogo, nem sempre de maneir

Comments


bottom of page