top of page

Por enquanto...

Tão cedo ainda para dizer-se do envolvimento de militares no suposto plano para matar Lula, quão leviano afirmar inexistir qualquer deles envolvido no terrorismo. O de dezembro, que faria explodir o aeroporto de Brasília, o que acabou na invasão da Polícia Federal e o ápice do dia 8 de janeiro. Aos sucessivos decretos impondo sigilo centenário sobre atos criminosos, sucede a tentativa de transformar o terrorismo um delito militar. Outra forma de confissão, como o é a pedra posta sobre os fatos delituosos nascidos a partir do Palácio do Planalto e seu mais próximo entorno. Uns - os decretos - e outra - o desejo de entregar à Justiça Militar o julgamento dos atos terroristas - ligados pela política do ódio, a mesma presente no sacrifício de quase 700 mil pessoas. Os que têm armas como objeto de abjeta adoração não se negam a aproveitar um vírus desconhecido e dele tirar trágico proveito. Hospitais, bares, ruas, edifícios públicos, tudo serve de palco à ferocidade que só por insensatez se chamaria humana. Realidade, não obstante, encontrada na Alemanha de Hitler, os fornos tirando a vida de 6 milhões de judeus. Ou, nas masmorras brasileiras ou no ar coberto pelo céu brasileiro, eliminando os incômodos e indefesos divergentes. Ou, nos dias atuais, nos territórios indígenas invadidos. Nos gulags do stalinismo não foi diferente. Criativos quando incapazes de apagar todas as pistas, os rastros e a sordidez de sua ação, só resta cometer o crime salvador: o deslocamento das prerrogativas do Poder Judiciário de sua sede própria. Levar para outra barra judicial os supostos criminosos, na reiteração de condutas em grande medida contribuintes para termos chegado à surrealidade vivida nesta fase vergonhosa de nossa História. Trate o Supremo Tribunal Federal de manter-se firme na execução do papel que a Constituição lhe atribui e exige. A sociedade, pela porção majoritária que respeita, prestigia e defende a democracia, não lhe faltará.

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

França e franceses

Mais uma vez vem da França o anúncio de novos avanços na História. Esta quinta-feira marca momento importante daquela sociedade, há mais de dois séculos sacudida pelo lema liberté, fraternité, egalité

Uso indevido

Muito do que se conhece dos povos mais antigos é devido à tradição oral e a outras formas de registro da realidade de então. Avulta nesse acúmulo e transmissão de conhecimentos a obra de escritores, f

Terei razão - ou não

Imagino-me general reformado, cuja atividade principal é ler os jornalões, quando não estou frente à televisão, clicando nervosamente o teclado do controle remoto. Entre uma espiada mais demorada e ou

Commentaires


bottom of page