top of page

Oportuna e infalível

Mais uma vez, desmentiu,-se a máxima. Não demorou, nem foi falha a decisão do Poder Judiciário brasileiro, através de sua maior corte eleitoral. Antes já se desmentira outra das expectativas dos agora derrotados por 5 X 2. É isso que nos diz a recusa da caserna que se respeita, Ficou sem sentido, portanto, a crença de que a justiça sempre farda e talha. O principal derrotado já disse, em reação ao rótulo de condenado com que o TSE, não estar morto. Talvez fosse mais adequado inserir em sua frase a palavra AINDA. Primeiro, porque é remota a hipótese de ver promissor o inevitável recurso ao STF. Apostas aíinda podem ser feitas, apenas com relação ao resultado numérico da decisão. Depois, restam pendentes quinze outras ações, pela inicidência (quando não, reincidência) em dispositivos das leis penais. Se, por enquanto, ele continua a mentir a respeito de sua suposta honorabilidade, aproxima-se o dia em que chamá-lo de corrupto não constituirá calúnia. Bastará que os juízes competentes legalmente também o sejam, quanto ao respeito à Constituição e às leis. Agora, as leis penais. Embora os primeiros ratos comecem a pular do barco, no porão ficando os que pretendem vender caro sua deserção. Afinal, para isso servem o centrão e suas lideranças. Para elas, rei morto é rei posto. Também navegar é preciso. Em barco menos propenso ao naufrágio. Sempre e sempre, o do governo. Seja ele de direita, de esquerda ou de centro. Como se esse de fato existisse.

8 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A soberania transferida

Muito se tem discutido a respeito do papel do Banco Central. Não o suficiente, porém, para permitir julgamento e manifestações destituídas dos valores e interesses postos em jogo, nem sempre de maneir

Mentalidade

Tenho chamado mentalidade zonafranqueana a certo modo de ver o Mundo. Algo expresso no que chamamos visão de mundo, em todo caso orientador de interpretações do ambiente social e físico em que estamos

A ZFM e a reforma tributária - 4

Uma coisa é certa: o Estado do Amazonas, que nada deve à União, não pode perder a competitividade que a Constituição lhe assegura. Outra coisa não pode ser ignorada: de prorrogação em prorrogação, a s

Comments


bottom of page