O TEMPO DA VIDA

O fim do ano se aproxima e eis que surge a necessidade de reflexão do tempo, como se em doze meses se fechasse um ciclo do fazer, do realizar, do atender.

É curto demais. O tempo é a vida; é mais longo e nunca breve quanto um ciclo inacabado. Até porque só mensuramos o tempo projetado da vida e não suas possibilidades de um fim antecipado.

Se o tempo é da vida temos nossa reflexão dominada pelo movimento e não por uma condição estanque. A fuga para um tempo parado, resignado e atribuído a um ser supremo atemporal é um caminho de desleixo com a vida. É como deixar a vida de lado e jogar suas intempéries a um ser metafísico e fora do tempo.

Precisamos nos antenar com a vida, dominando nosso tempo e dando a ele os desígnios da decisão tomada. O tempo é a nossa vida.

Quando tenta se impor a ideia do tempo inerte, por trás há a intenção de manter a vida também inerte, apenas com a possibilidade da morte, que é a continuidade de uma vida sem tempo. Ou seja, a resignação em vida quanto ao tempo já é a própria morte.

Precisamos dominar nosso tempo como forma de fazer da vida um motivo de busca. A resignação é a morte. Se indignar e dar movimento à vida é viver. É disso que precisamos.


Lúcio Carril

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Por que celebrar Daniel Coelho de Souza?

Parte III Daí que, pouco tempo depois, ao assumir a cátedra de Introdução à Ciência do Direito, que conquistara em memorável concurso público, Daniel Coelho de Souza, após recensear as insuficiências

Teremos um novo normal?

Há quase um ano ouço falar em um novo normal. Tenho muita limitação em entender como se pode ver possibilidade de coisa boa depois de tanta desgraça. Não vejo um mundo melhor pós-pandemia. Na verdade,

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.