top of page

O extermínio pós-modermo

Adolescente amante do cinema, assisti a muitos dos filmes que Holywood produziu. Boa parte deles, para louvar o êxito da sociedade norte-americana. Não se pergunte em que se sustentava esse êxito, porque os fatos de que se construiu são lamentáveis, não louváveis. Ainda tenho guardadas na memória as cenas em que o bonitão Jeff Chandler cumpria à risca o roteiro. Daquele filme diante do qual calado e atento eu me punha, afinal transformado - o filme, não o ingênuo espectador que então eu era - em roteiro da história de um território onde seria realizado o sonho humano de quantos o procurassem. O american dream. Os que lá chegaram no Mayflower, seus descendentes e os que vieram de toda parte depois, traziam outros sonhos. Menos que isso, também outras ambições. Diferentes, tanto quanto os fundadores e ádvenas, os sonhos também o eram. Se o roteiro que coube a Holywood produzir e a Jeff Chandler protagonizar, tentava mostrar a excelência e os altos e dignos valores atribuídos à nova sociedade, os Apaches, Sioux, Cherokees, Apalaches, Iowa não tinham como concordar. Digam-no os números a que foi reduzida a população original, quando os puritanos ainda não haviam descido pelo cordame do Mayflower. Na Amazônia (no Brasil, é mais preciso dizer) de 2023, em cidades também abertas e acolhedoras, ve-se quanto prosperou o exemplo que o ator norte-americano protagonizou. Primeiro, na prática do extermínio sem diligência ou xerife, sempre com a violência. Os Waimiri-atroari dizem- no melhor. Depois deles, outros povos amazônicos pre-colombianos. Brasil adentro, não tem sido difetente. Sofisticaram-se os métodos, tanto quanto amealharam-se fortunas, sempre levadas para longe daqui. É mais seguro. Nosso pós-modernismo trouxe com ele o garimpo mecanizado, a devastação das florestas e o fogo, que queima sobretudo esperanças. E coloca em risco a vida de milhares de pessoas, tarefa de que nem os fornos de Hitler seriam capazes. É a morte chegando pouco a pouco, para cada dia número maior de habitantes, em ação pan-exterminadora observada pelos olhos, o nariz e os pulmões, até o dia em que terá sido cumprida a (má) sina dos nossos Jeff Chandler sem nenhuma beleza.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que se pode esperar

Ontem, o tempo foi curto e não deu sequer para o Presidente venezuelano Nicolás Maduro ser pichado como faz por merecer. O mundo, os jornalistas e governantes em especial, quase não tiveram olhos e bo

A eleição sem Biden

A renúncia à reeleição, apresentada ontem pelo Presidente norte-americano Joe Biden, a rigor, não surpreendeu ninguém. Pelo menos, dentre os que se têm informado sobre a política daquele país. Menos p

Quem abalará a bala?

Manaus é classificada em terceiro lugar, quanto se trata da violência. Está atrás apenas de Salvador e de Macapá, nesse trágico e vergonhoso índice. Não obstante, as autoridades alardeiam investimento

Comments


bottom of page