NOSSAS CRIANÇAS PRECISAM DE AMOR E RESPEITO, NÃO DE ARMAS

Tenho refletido, com a ajuda de alguns autores, sobre a ação humana na construção da vida e da sua própria felicidade. Não considero um fracasso, mas beira a isto. Felizmente, ainda temos exemplos de sociedades antigas e modernas que nos proporcionam alguma esperança.

Naquilo que se refere ao respeito às crianças e adolescentes, os sentidos humanos na vida social são angustiantes. Em sociedades como a nossa há um profundo desprezo pela vida em desenvolvimento, sempre vista com um olhar instrumentalizador, que vai do trabalho forçado à exploração sexual. Nisto há uma total derrota de sentimentos humanos.

Há quem fale em modernidade e domínio da razão nas sociedades capitalistas desenvolvidas, mas o discurso não se mantém por um segundo quando nos deparamos com o abandono de crianças. Abandono não somente no sentido literal, mas nas provas mais elementares de civilidade. Nossas crianças ainda são tratadas como objeto.

A luta é dura, mas continuaremos trilhando o caminho da justiça, do respeito e da bondade.


Lúcio Carril

Sociólogo


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

uma cerejeira e uma saudade*

em julho, quando o mês finda há uma data charmosa que já foi linda e segue teimosa há também uma cerejeira que floresce certeira que a saudade desvanece elas chegam sempre no espaço da espera no vazio

VIVA A BARBÁRIE

Bernardo Carvalho, FSP- 14-06-2021 Numa entrevista recente ao jornal Libération, em resposta a uma pergunta sobre o confinamento na pandemia, o lendário diretor de teatro inglês Peter Brook, 95, relem