top of page

Nojo e pena

Rir, porque nada seria mais ridículo que a intervenção do senador zero um na oitiva dos candidatos ao STF e ao Procurador-Geral, talvez fosse o melhor. Melhor que isso, porém, é dar à participação do representante do Rio de Janeiro no Senado o tratamento austero exigível. Embora destituída do mínimo de austeridade, a intervenção do parlamentar levantou suspeita de que Flávio Dino, seu xará, usaria a Polícia Federal para atender aos seus propósitos no Ministério da Justiça. Como se ele, o interrogador, não fosse exatamente aquele que o pai disse estar defendendo, ao pretender transformar o órgão policial em um puxadinho do Palácio do Planalto. Não sou eu quem o diz, nem qualquer dos parlamentares que integram a comissão que ouviu os candidatos àqueles dois importantes postos da República. A reunião de 22 de abril de 2019, gravada e com certeza mantida no acervo histórico do Estado brasileiro, dispensa esforço investigativo mais laborioso. Foi lá, entre e com palavrões audíveis com frequência nos piores prostíbulos e covis de delinquentes, que se testemunharam a confissão de que a Polícia Federal estava sendo usada pelo inquilino do Planalto, além do objetivo a que isso se destinava: impedir que seus familiares fossem (o respeito aos leitores impõe o eufemismo) molestados. Nem sempre a gargalhada pode ser aplicada ao ridículo assistido. O nojo pelo autor da ridicularia cabe melhor. Não fosse a piedade alternativa também aplicável. Nojo e pena portanto, se compatíveis.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O que se pode esperar

Ontem, o tempo foi curto e não deu sequer para o Presidente venezuelano Nicolás Maduro ser pichado como faz por merecer. O mundo, os jornalistas e governantes em especial, quase não tiveram olhos e bo

A eleição sem Biden

A renúncia à reeleição, apresentada ontem pelo Presidente norte-americano Joe Biden, a rigor, não surpreendeu ninguém. Pelo menos, dentre os que se têm informado sobre a política daquele país. Menos p

Quem abalará a bala?

Manaus é classificada em terceiro lugar, quanto se trata da violência. Está atrás apenas de Salvador e de Macapá, nesse trágico e vergonhoso índice. Não obstante, as autoridades alardeiam investimento

Comments


bottom of page