Mestra da vida

Ver os acontecimentos quando eles estão ocorrendo é bom. Mas não dispensa conhecermos os fatos que não vimos quando ocorriam. Quem quiser saber mais sobre a participação dos militares em nossa vida política enriquecerá seus conhecimentos, se passar olhos atentos em artigo recente do ex-Ministro da Ciência e Tecnologia, o escritor Roberto Amaral. O título: Os militares, seus crimes e a tentação autoritária. Feito oficial da reserva do Exército, no Centro de Preparação de Oficiais da Reserva, onde ingressei como voluntário, jamais imaginaria as cenas a que tenho assistido. Na caserna, se não consegui aprender a atirar bem, pude estabelecer comparações que me têm sido muito úteis ao longo da vida, quase oitentona. Captei melhor as diferenças individuais e de classe entre os seres humanos. A tal ponto, que vejo exagero em admitir tal condição em muitos que, inadvertidamente, penso semelhantes. A mim e a tantos quantos rejeitam o ódio e ainda alimentam a esperança de a paz triunfar sobre a guerra, o amor vencer o ódio. Entristece-me, portanto, testemunhar a conduta de importantes líderes castrenses, fazendo vista grossa para os atentados cometidos contra a instituição e o desmentido de tudo quanto ouvi e sucessivas gerações têm ouvido dentro das paredes dos quarteis. Em compensação, também não tenho os ouvidos moucos a pronunciamentos como o do General ex-Ministro Santos Cruz. Pelo que tem dito esse oficial da reserva, e pelo que têm divulgado alguns de seus colegas ainda fardados, pode-se servir melhor à Pátria em roupas civis.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O préstimo do imprestável

É falso dizer que nada se pode aprender com o (des)governo atual. As tragédias também ensinam. Assistimos ao troca-troca de que seis virarão meia-dúzia e chegamos a essa constatação: cuidado deve ser

Ministério-Lázaro

Levanta-te e anda! É como descrevem os livros sagrados a volta do irmão de Madalena, ao mundo dos vivos. Os vivos (e espertos) de hoje ressuscitam órgãos antes amaldiçoados. E tratam de provê-lo e faz

Baralho

As cartas estão na mesa. Foram conferidas e embaralhadas. Chegada a hora da partilha, a distribuição dentre os jogadores sem o que não há jogo, dá-se por falta de um jogador. Dependendo da modalidade