top of page

Mentira e bravata

Diziam os antigos nada ser melhor que um dia após o outro. Uma forma de sugerir que a cada vinte e quatro horas se operam mudanças de tal modo que o ontem e o hoje, por mais próximos que sejam, nunca são iguais. Antigos também, talvez um pouco mais espertos, acrescentavam: com uma noite pelo meio. Antes, comemorava-se a descoberta de alguma falcatrua ou simplesmente mentira proferida por alguém, dizendo dela ter pernas curtas. Por maior o esforço dos mentirosos, isso não basta para desmentir José Maria Alckmin. (Ou terá sido Magalhães Pinto?) Qualquer dos dois políticos lembra como a sabedoria mineira ajuda a compreender a ação de muitos dos seus colegas. Também como eles acompanham as nuvens, em sua atormentada e tortuosa vida política. Bravateiros de ontem transforma.-se nos chorões de hoje. Tentando fazer-se leões diante de suas presas, transformam-se em nojentos ratos quando as nuvens e os ventos mudam de direção. Anderson Torres é só um exemplo,

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A soberania transferida

Muito se tem discutido a respeito do papel do Banco Central. Não o suficiente, porém, para permitir julgamento e manifestações destituídas dos valores e interesses postos em jogo, nem sempre de maneir

Mentalidade

Tenho chamado mentalidade zonafranqueana a certo modo de ver o Mundo. Algo expresso no que chamamos visão de mundo, em todo caso orientador de interpretações do ambiente social e físico em que estamos

A ZFM e a reforma tributária - 4

Uma coisa é certa: o Estado do Amazonas, que nada deve à União, não pode perder a competitividade que a Constituição lhe assegura. Outra coisa não pode ser ignorada: de prorrogação em prorrogação, a s

Comments


bottom of page