Mentira da reforma

Bate-papo que o youtube transmitiu na última terça-feira envolveu dois profissionais de que eu nunca ouvira falar. O professor Bruno Zampier e Frederico Neder trataram da chamada reforma administrativa, correspondente à PEC 32/2020, ora em tramitação no Congresso Nacional. O primeiro viu na PEC a manifestação de um – assim ele chamou – liberalismo frouxo, de que o outro discordou. Segundo ele, de liberalismo, nada há na pseudo-reforma. Ambos, porém, convergem quando se trata de identificar os fundamentos e razões da tentativa de mais que reduzir o tamanho do Estado, anular sua presença na vida dos brasileiros. Também há convergência quanto à rejeição da condição a que os falsos liberais relegaram os servidores públicos – demônios a serem exorcizados. Há concordância dos dois, em relação à necessidade de uma real e efetiva reforma da administração pública. Esta, a mim também parece indiscutível, por sua necessidade e oportunidade. Posta, porém, a serviço de interesses e objetivos que dizem respeito às carências de todos os brasileiros, não à voracidade de uma pequena parcela, já instalada por representantes ostensivos ou agentes ocultos, em todos os poderes e em todos os níveis da hierarquia oficial. Há muito venho afirmando a inconveniência e a desonestidade de reduzir o tamanho do Estado, a priori. Sem que se promova ampla, profunda e sistemática avaliação da estrutura, do funcionamento e dos valores e objetivos subjacentes, não se estará falando de reforma que valha o nome. Se não sabemos qual o grau de carência das populações às quais a máquina pública presta serviços, nem as causas da ineficiência e ineficácia dos órgãos que o concretizam, como intervir? Quem nos dirá que alguns órgãos precisam ampliar seus quadros funcionais e, em geral, melhorar os estímulos ao bom desempenho pessoal e organizacional, ao invés de miniaturizá-los? Já nem falo da imoralidade consistente em transferir para a gestão privada empresas públicas exitosas, o que significa renunciar ao lucro por elas anualmente obtido. Antes, havia o pretexto de que seriam transferidos os elefantes brancos, aquelas fontes apenas de despesas, deficitárias ano-pós-ano. As coisas agora acontecem com a grosseria própria dos que não têm argumentos, nem compromissos com a sociedade. Os bolsos falam mais alto.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O prato e o cuspe

Até certo ponto, surpreendi-me com a votação do atual Presidente da República, na eleição de 2018. Logo eu, que pensava não ter mais idade para ser pego de surpresa! Afinal, quase 60 milhões de votos

Nüremberg não pode ser esquecido

Os desafios lançados pelo Presidente da República às instituições não são recentes, como se sabe. Quando ele desejou explodir a usina de abastecimento de água da cidade do Rio de Janeiro, manobras de

O futuro que chega logo

Mais uma vez, a Argentina sai na frente, em relação a nós. Faz dias, parte da população argentina foi às ruas, manifestar-se contra a apropriação, por parte de grupos privados, da água que abastece as