top of page

Manicômio geral

Tantas as sandices patrocinadas pelos ocupantes dos confortáveis gabinetes mantidos pelo suor dos que trabalham, que chego a suspeitar de que menos doentes são os que chamamos loucos. Fora dessa hipótese, só um qualificativo pode ser aplicado aos que, mantidos soltos, rejubilam-se com a morte de mais de 612 mil pessoas. Seres humanos, como seus algozes não o são. Enquanto à sociedade são impostos sacrifícios mais que os resultantes da pandemia, há os que festejam os números registrados em suas contas bancárias, individuais ou coletivas. Resultado, também, da miserável distorção do significado do termo Economia. Esta, como disciplina voltada à compreensão das relações humanas em importantes atividades dos seres ditos inteligentes, transformada em objeto das operações fundamentais da Matemática. Com ênfase e exclusividade das contas marcadas com os sinais de adição e multiplicação. Não importa a esses agressores do que só por equívoco ou má fé se chamaria Economia, quantos morrerão de fome ou verão perdidas as esperanças de que o desemprego e a depressão dele resultante dão cabal testemunho. Por isso, preparam-se os ganhadores de sempre para acumular ainda mais, nas festas de fim de ano e no carnaval que as sucederá. Os presentes costumeiros incluirão a ausência dos que partirem, ornados e perfumados com os lírios que acompanham os mortos. Mais tarde, ruas e salões se encherão de palhaços, colombinas e pierrôs inadvertidos de que tudo acabará em cinzas.

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

França e franceses

Mais uma vez vem da França o anúncio de novos avanços na História. Esta quinta-feira marca momento importante daquela sociedade, há mais de dois séculos sacudida pelo lema liberté, fraternité, egalité

Uso indevido

Muito do que se conhece dos povos mais antigos é devido à tradição oral e a outras formas de registro da realidade de então. Avulta nesse acúmulo e transmissão de conhecimentos a obra de escritores, f

Terei razão - ou não

Imagino-me general reformado, cuja atividade principal é ler os jornalões, quando não estou frente à televisão, clicando nervosamente o teclado do controle remoto. Entre uma espiada mais demorada e ou

Comentários


bottom of page