top of page

Maledicência não é Ciência

Há maledicentes que costumam afirmar serem os economistas profetas dos fatos consumados. Outros, em tom de claro bom-humor, afirmam que os profissionais da Economia são especialistas em prever o passado. Discordo de ambos, maledicentes e humoristas. Se compreendermos, porém, que os interesses mais primários e elementares costumam impregnar certo tipo de profissionais, deixaremos de atribuir à simples maledicência ou à incompetência os supostos erros por estes cometidos. Não é só na área da Economia que se observa essa intromissão. Quando é inequívoca a previsão de melhores resultados para a economia brasileira, as coisas se complicam. Não para os que têm a reponsabilidade de devolver o País a situação anteriormente desfrutada. Se não no nível exigido pela mínima noção de justiça social, pelo menos na comparação favorável entre períodos diversos. A má-vontade orientada pelos piores sentimentos e propósitos olhou de esguelha para a política econômica que Lula anunciou, ainda na fase de transição. Não foram poucos os pregadores do apocalipse, prevendo dias cada vez piores. O que eles chamam gastança (leia-se preocupação com os mais pobres) era alardeado com o trombetear apocalíptico de sempre. Pouco a pouco, enquanto Lula tratava de recuperar no exterior a imagem e o prestígio do País que os patriotários emporcalhavam, Fernando Haddad tratava de lançar pontes em direção a setores francamente hostis ao governo. Deu-se bem. A tal ponto, que, salvo minúcias a que o centrão só renunciaria se outra fosse sua índole, vão passando os projetos que prometem alterar o nível de desigualdade. Não na proporção e na velocidade que a sociedade exige, mas no que é possível fazer, considerada a composição atual do Congresso Nacional. Mesmo assim, e preparando o terreno para não ficar tão mal na foto, admitiram o crescimento do PIB, em percentual agora previsto em dose bem maior. Antes, raros os que chegavam à unidade. Agora, a previsão informada por Fernando Haddad (3%) chega a ser ultrapassada por outros profissionais e agências. Ou seja, quando a Ciência é posta a serviço de má causa tudo pode levar à bomba atômica. Sem que os criativos tenham, como Openheimmer, a noção de do que é a dignidade humana. Maledicência e humorismo à parte.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mudanças conceituais

Vivemos em um mundo em permanente mudança. Não há um só dia em que algo não mude, em todo lugar. As alterações da natureza, em geral lentas, ajudam a caracterizar períodos geológicos e se medem em esc

É possível uma sociedade diferente

As recentes eleições no Reino Unido e na França fizeram renascer sonhos que pareciam sepultados. Por enquanto, as avaliações se têm prendido aos números, sem que emerjam e ganhem a luz solar questões

A sede do reacionarismo

Balneário Camboriú reuniu o que há de mais retrógrado no pensamento político do Brasil e de algumas outras nações. Maior destaque foi dado ao Presidente da Argentina, Javier Milei, e não sem razão. A

Comments


bottom of page