Maduro e os podres

Nicolas Maduro, Presidente da Venezuela, tem lá seus podres. Como os têm quase todos os que, semelhantes a ele, praticam certa forma de democracia difícil de engolir como tal. Assemelhando-se à boa parte dos governantes vivos, quaisquer a latitude e a longitude da nação governada, o tosco Maduro permite fazer tábula rasa de análises de toda espécie. Não é porque ele tenha sobre os ombros desde tolices como a intermediação de pássaros em seus contatos extraterrenos com Chávez, que haveremos de repudiá-lo. Em nação maior, com população multiplicada em relação ao do país vizinho, se aos pássaros não é vedado o voo, há goiabeiras de onde se pode contemplar a divindade. Uma coisa pela outra... Chega a surpreender a disposição do governante venezuelano, que oferece oxigênio aos brasileiros sufocados pela covid-19 e seus acólitos, defensores e parceiros nacionais. Seria o caso de aplicar velho brocardo, cada dia menos lembrado: de onde menos se espera, é dali que as coisas vêm. Tivesse ele a rodeá-lo diplomatas desinteressados da saúde do Mundo (em todos os sentidos, entendam-me!), o gesto sequer seria pensado. A recepção de seus compatrícios, em Roraima, não foi exatamente manifestação de solidariedade e humanitarismo. Nem os governantes brasileiros agiram sem a conhecida arrogância em relação aos demais latino-americanos, a ponto de deixa-los agradecidos pela recepção. Em grande medida, foi a solidariedade dos mais pobres (sempre eles) dentre os cidadãos do nosso lado da fronteira, responsável pela ajuda prestada aos venezuelanos emigrados. Mesmo assim, os podres de Maduro parecem reservar um sentimento de fraternidade e humanitarismo que nossos governantes teimam em agredir - até à morte. Dos outros, como se tem visto...

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Boa hora

Circula nas redes sociais documento assinado por Frei Betto, integrado à Campanha da Quaresma. Além das denúncias formuladas pelo lúcido e incansável pensador católico, a mensagem traz um apelo, em

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.