top of page

Lá, diferente de cá

Ouço e leio críticas e comparações ligadas à eleição presidencial da Argentina, no próximo domingo. Disputam o segundo turno Javier Milei, autointitulado anarcocapitalista, e o peronista Sérgio Massa. Os analistas buscam identificar, ainda que parcialmente, semelhanças e diferenças entre os dois candidatos e entre as eleições de 2018 no Brasil e a argentina, dia 19 próximo. De início, a resposta oferecida pela Argentina aos crimes cometidos durante a ditadura e ao papel dos militares neles envolvidos é comparada à forma como fatos e agentes semelhantes foram tratados, no Brasil. A preocupação aí refere-se ao cenário em que atuam os postulantes ao maior posto do Executivo, lá e cá. O destaque, como regra, tem sido dado ao rigor com que foram tratados os torturadores e assassinos daquele país, enquanto a anistia aqui poupou-os do menor constrangimento. Lá, muitos dos agentes foram condenados. Aqui, fez-se tabula rasa entre vitimas de ações praticadas durante a guerrilha urbana e rural e pessoas presas pela repressão e mantidas sob custódia do Estado.. As madres de la Plaza de Maio cantam vitória, ainda que a considerem apenas parcial... Por isso, até hoje se mantêm ativas e reivindicativas. No Brasil, tudo parece ter-se desfeito, tanto que até a busca dos corpos desaparecidos foi interrompida. E, restaurada a comissão oficial que trata disso, seus trabalhos parecem avançar timidamente. Se é que têm avançado. Quanto aos candidatos e suas propostas e características pessoais, a semelhança entre o anarcocapitalista e seu colega de ideais(?), a diferença parece estar em que o de lá sabe das quatro operações fundamentais da Matemática... Nada além disso, verificada a identidade de propósitos, todos eles desvinculados dos valores que distinguem os animais da selva dos outros, que nos supomos superiores. Milei é uma espécie de Enéas Carneiro misturado com Boris Johnson, de que mesmo o Reino Unido parece ter esquecido.. Os jornalistas - sobretudo eles - querem saber como se comportarão o governo brasileiro e o da Argentina, caso esse clone seja eleito lá. Coube à candidata derrotada Bullrich dizê-lo:: seja quem for o eleito, as relações entre os dois países vizinhos não podem sofrer alteração. Bem dito. A não ser que nossos irmãos platinos desejem perder importância ou o nosso governo repita o caos que o antecedeu.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mudanças conceituais

Vivemos em um mundo em permanente mudança. Não há um só dia em que algo não mude, em todo lugar. As alterações da natureza, em geral lentas, ajudam a caracterizar períodos geológicos e se medem em esc

É possível uma sociedade diferente

As recentes eleições no Reino Unido e na França fizeram renascer sonhos que pareciam sepultados. Por enquanto, as avaliações se têm prendido aos números, sem que emerjam e ganhem a luz solar questões

A sede do reacionarismo

Balneário Camboriú reuniu o que há de mais retrógrado no pensamento político do Brasil e de algumas outras nações. Maior destaque foi dado ao Presidente da Argentina, Javier Milei, e não sem razão. A

Comments


bottom of page