Instintos e vontade

Cedo convenci-me de que o maior traço distintivo do homem, em relação aos outros animais, é a vontade. Também dotado de instinto, como os outros, o homo sapiens, ostentando sabença ou não, traz consigo a vontade. Esta, até aonde sei, não é atributo dos outros animais. É em torno desta que imagino girar tudo quanto diz respeito à Política. Assim, vejo as atividades desse campo profundamente vinculadas ao exercício da vontade humana e a tudo o mais que a esta se relacione. Se, dotados do livre arbítrio, fazemos nossas escolhas, por elas responderemos. Isso me leva à conclusão de que, coletivamente, somos responsáveis pela sociedade que criamos, desenvolvemos e mantemos. Nesse sentido, não há uma só pessoa que possa dizer-se alheia ao mundo que construímos. Responder por isso, entretanto, não parece coisa tão fácil, pelo menos do ponto de vista individual. Coletivamente, contudo, a coisa muda de figura. É aí, então, que cumpre descartar a possibilidade de admitir a indiferença de qualquer ser humano, em relação ao fenômeno político. Observe-se que não trato de partido, mas de Política. Nem mesmo da política, com o minúsculo que, antes de aparência, vem da intimidade do indivíduo, do seu cérebro e do coração. Ainda assim, encontramos seres ditos humanos (sem que se saiba ao certo por quê), cuja ação é orientada menos pela vontade que pelos instintos. Uns, bons, outros, nem tanto. Há outros, ainda, assemelhados ao dos outros animais, como o disse certa vez o ex-deputado Roberto Jefferson. Pois agora, a jornalista paraense Cristina Serra afirma que nem sempre os instintos são maléficos ou improdutivos, mesmo se usados pelo homem que se presume sapiens. O exemplo que ela dá é personificado no Presidente da República. Sua eficiência é comprovada pelo tamanho da população que a covid-19 já sepultou. Porque nele se manifesta, segundo a jornalista, instinto assassino. Pior, considera ela, é o silêncio da gente graúda, que enriquece ainda mais com a crise e prefere deixar tudo como está. Mente a ex-empregada da Rede Globo ou é isso o que nos mostra a realidade?

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

De inoportuno a necessário

A polarização política chegou a um tal ponto que se torna difícil imagina-la desaparecer tão facilmente. É justo reconhecer que muito dela é devido ao estilo do atual Presidente da República, apostado

Na linha de tiro

Cresce a literatura sobre o infausto período histórico de que somos protagonistas e pacientes. Têm-se posto em questão fenômenos relacionados sobretudo à fragilização da democracia. Pouco a pouco, sen

Menu da babugem ou da xepa

Confesso minha dificuldade em atribuir algum adjetivo suficientemente justo para qualificar o desqualificado sinistro da Economia. Ele não é o único nesse governo a reunir desqualidades tão agressivas