Estado paralelo

Afinal, o boi mais gordo do rebanho atravessou ontem a porteira aberta, enquanto caminhamos para contar a travessia de 250 mil brasileiros, para o além. Cumpre-se, assim, mais uma etapa do projeto anunciado pelo sinistro do meio ambiente, na tão educativa reunião de 22 de abril de 2020, no Planalto. A entrega do Banco Central à voracidade da banca é sonho antigo do liberalismo praticado entre nós. Não têm bastado à fome dos financistas e as sucessivas decisões que aprofundam as desigualdades sociais e colocam o Brasil no degrau mais alto do oprobrioso pódio. Nem repetirei o que muitos, dos poucos analistas isentos ou não-comprometidos, dizem: trata-se da entrega do galinheiro aos cuidados da raposa. É pouco, dizê-lo. A situação é muito pior. Assemelha-se, isso sim, à dispensa de autoridades do cumprimento de funções que só a eles caberia exercer, na área econômica. Não é. propriamente, instituição sem a qual o Brasil não teria atravessado crises econômicas e criado e expandido expressivo parque industrial. Isso é função que ao Banco do Brasil compete. Mas o BC desliga-se da estrutura oficial, para satisfazer os setores que jamais apostaram um centavo sequer na capacidade do povo e dos que realmente trabalham. Antes, as instituições financeiras criadas pelo Estado mostraram-se incapazes de adotar lógica voltada para o alcance dos objetivos sociais muitas vezes alegados dentre as razões de sua criação. Simplesmente adotaram lógica e práticas comerciais, estimulantes da acumulação responsável pela desigualdade de que nos fizemos campeões mundiais. Agora, à instituição que alegada como centro das decisões de caráter financeiro do País, atribui-se a condição de Estado paralelo. Para que Presidente da República e Ministério da Economia, se os presidentes do Banco Central é que distribuirão as cartas? Jogo sujo maior que esse não se conhece!

3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Egoísmo no atacado

Manaus talvez tenha sido a primeira cidade a registrar uma das formas mais ignóbeis do egoísmo humano, nesta fase de pandemia. Aqui, pessoas desprovidas do menor senso de humanidade furaram a fila da

Eras nada priscas

Vivemos, no Brasil e em outros poucos países do mundo, realidade capaz de sugerir aos historiadores relato cujo título bem poderá ser Era dos dias incompreensíveis. Não é pequena a literatura sobre a

Leite e lágrimas

Empenhado na tarefa de desmoralizar o Sistema Único de Saúde, revelar desprezo pela Ciência e não deixar dúvida sobre seu ódio à Humanidade, o Presidente da República visitou Chapecó. Naquela cidade c

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.