DECLARE AMOR A MANAUS. NÃO VOTE NOS SAQUEADORES

Chegamos aos 351 anos. Na roda da história, Manaus é uma criança em transição para a puberdade, com suas belezas juvenis e o sofrimento de quem foi sempre maltratada e deixada de lado por padrastos aproveitadores.

Manaus poderia ser melhor, muito melhor e mais bela se não fosse a existência de uma elite mesquinha, que vive do sangue de um povo que pena para sobreviver.

Manaus não seria uma cova de favelados se a Zona Franca não tivesse, francamente, servido de puteiro do grande capital e de suas multinacionais.

O Distrito Industrial é um novo seringal, como nos diz o poeta Aldísio Filgueiras, a sugar o sangue do operário da construção de Chico Buarque.

É mentira dizer que a Zona Franca é responsável pela preservação da nossa floresta. Quem preserva nossos rios, nossas matas e nossas vidas são os povos da floresta. Antes da Zona já existia meio ambiente preservado. O que o propalado desenvolvimento fez foi matar índios, seringueiros, caboclos e ribeirinhos.

Manaus continua de costas para o rio e para sua história.

Gestores famintos por dinheiro público continuam a saquear a cidade e nosso povo.

Empresários inescrupulosos vagueiam como zumbis à procura de mais carne humana. Para o lucro, gente não existe.

Manaus podia e pode ser mais bela, mas é preciso expulsar a turba de malfeitores que a enfeiam.

Aqui é minha cidade. Completo com Manaus 351 anos. Meu sangue está no teatro Amazonas, no reservatório do mocó, no mercado Adolfo Lisboa, nas avenidas e pontes, nos igarapés e no rios Negro e Solimões. Sou manauara, sim. Tenho na alma a resistência de Ajuricaba e o sangue bom da mulher cabocla.


Lúcio Carril

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Por que celebrar Daniel Coelho de Souza?

Parte III Daí que, pouco tempo depois, ao assumir a cátedra de Introdução à Ciência do Direito, que conquistara em memorável concurso público, Daniel Coelho de Souza, após recensear as insuficiências

Teremos um novo normal?

Há quase um ano ouço falar em um novo normal. Tenho muita limitação em entender como se pode ver possibilidade de coisa boa depois de tanta desgraça. Não vejo um mundo melhor pós-pandemia. Na verdade,

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.