Dói dizer

Parecerá ironia desejar feliz ano novo, na passagem de 2020 para 2021. Como povoar corpos e mentes do prazer e da esperança costumeiros nesse período do ano, quando vírus naturais e vermes humanos se juntam em pródiga produção da infelicidade – da morte, seu suprassumo? Como esperar menos abundantes as águas escorridas de olhos que não viram a tempo os riscos e as pedras no meio do caminho? Como converter fanáticos apressados, como os ratos de Hamelin, céleres em direção ao mais profundo abismo? Se não basta a ameaça do vírus, como evitar a aglomerações, usar permanentemente as máscaras, já que as outras, irremovíveis, acompanharão muitos até o ponto final – com o cortejo da covid-19 ou sem ele? Como admitir a festa do Nascimento transformada em homenagem às parcas? O vinho transformado, além de lágrimas, em sangue derramado; o peito arfando, o sem-sabor de tudo ocupando nossas bocas, nem o aroma do lírio improvável entrando em nossas narinas? Dói dize-lo, mas dizer é preciso.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mais um capítulo amazônico

Durante a sessão de abertura do Encontro anual do Ano Acadêmico Paulo Freire, pelo Núcleo de Estudos de Administração e Pensamento Social - ABRAS/UFF, será instalado o Capítulo Amazônia, integrado por

Hora do pega pra...

Por mais que o Presidente e o Relator da CPI da covid-19 desejem e mesmo tentem, difícil será manter a tranquilidade, quando sabemos que a marca de 500 mil cadáveres se aproxima. Nem todos têm consciê

Pensamento não morre

Há vinte e quatro anos, em outro 02 de maio, deixava-nos Paulo Freire. Doze anos depois, foi embora Augusto Boal. O pensamento e a ação de ambos, dignificantes e justificativas da nem sempre provada s