top of page

Dói dizer

Parecerá ironia desejar feliz ano novo, na passagem de 2020 para 2021. Como povoar corpos e mentes do prazer e da esperança costumeiros nesse período do ano, quando vírus naturais e vermes humanos se juntam em pródiga produção da infelicidade – da morte, seu suprassumo? Como esperar menos abundantes as águas escorridas de olhos que não viram a tempo os riscos e as pedras no meio do caminho? Como converter fanáticos apressados, como os ratos de Hamelin, céleres em direção ao mais profundo abismo? Se não basta a ameaça do vírus, como evitar a aglomerações, usar permanentemente as máscaras, já que as outras, irremovíveis, acompanharão muitos até o ponto final – com o cortejo da covid-19 ou sem ele? Como admitir a festa do Nascimento transformada em homenagem às parcas? O vinho transformado, além de lágrimas, em sangue derramado; o peito arfando, o sem-sabor de tudo ocupando nossas bocas, nem o aroma do lírio improvável entrando em nossas narinas? Dói dize-lo, mas dizer é preciso.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Desconstrutor

O vereador Sassá da Construção Civil (PT-AM) é favorável ao injustificado recuo de Lula, no quiproquó com Netanyahu. O que bastou para o advogado Marcelo Amil protestar, cheio de razão, em seu blog ww

Rusgas à vista

Se procedem, as informações sobre a pretensa blindagem do Exército pelo quase ex-tenente-coronel Mauro Cid, pode-se antecipar dificuldades no relacionamento entre a Marinha e as forças de terra. Segun

Stand up às avessas

O pralamentar Marcos Val tem irresistível e mal aproveitada vocação para o stand up. Ele não consegue fazer mais que desatar gargalhadas naqueles que ouvem suas - como direi? - narrativas. Ou, para se

Bình luận


bottom of page