top of page

Corpos e delitos

Delito imperdoável*



Corpos jazem

os sons que os circundam

não têm a sonoridade das

trombetas

o apocalipse ali tão disponível


a mulher corre

a criança no colo abraçada

ao ursinho de pelúcia


nem a fumaça impede a

caminhada

a fronteira fazendo-se mais distante

a cada passo


adiante

corpo preso ao presente

fumegantes edifícios

evanescentes o que restou

da humanidade


desconjuntados corpos nem

sempre juntos

corpos de um delito

inenarrável.



Manaus, 26-03-2022


* Poema do editor deste blog, apresentado em vídeo, no VII Festival de Poesia de Lisboa, 14-19 de setembro de 2022.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

França e franceses

Mais uma vez vem da França o anúncio de novos avanços na História. Esta quinta-feira marca momento importante daquela sociedade, há mais de dois séculos sacudida pelo lema liberté, fraternité, egalité

Uso indevido

Muito do que se conhece dos povos mais antigos é devido à tradição oral e a outras formas de registro da realidade de então. Avulta nesse acúmulo e transmissão de conhecimentos a obra de escritores, f

Terei razão - ou não

Imagino-me general reformado, cuja atividade principal é ler os jornalões, quando não estou frente à televisão, clicando nervosamente o teclado do controle remoto. Entre uma espiada mais demorada e ou

Comments


bottom of page