top of page

Começar pelas concordâncias

O discurso do triPresidente Lula, na COP-28, dia 01 de dezembro, deixa marcas que o tempo não apagará tão facilmente. Além de reiterar sua preocupação com a crise ambiental, o líder brasileiro credenciou-se ainda mais a posição influente na construção do cenário das próximas décadas, em escala planetária. À indicação da impossibilidade de os países mais pobres darem conta do combate à pobreza concomitante ao enfrentamento da crise ambiental, Lula juntou com veemência a cobrança da exigível contribuição financeira dos países mais ricos. O governante brasileiro não se furtou a comparar o que esses países gastam em programas bélicos, face ao financiamento de ações benéficas ao equilíbrio ambiental do Planeta. Por isso, seu discurso mereceu intenso e prolongado aplauso. Não obstante, certos profissionais das comunicações preferiram reduzir a importância desse pronunciamento. Fizeram-no, quase em coro, destacando o silêncio em relação ao uso de combustíveis fósseis, lembrando ainda do recente convite que os Emirados Árabes Unidos fizeram, para que o Brasil integre a OPEP. Essa organização, por sinal, tem sede em Dubai, onde se realiza a COP-28. Ignorantes das peculiaridades da Política e do exercício do poder, ou movidos por outros interesses, tais críticos fingem buscar a paz, sem que consigam esconder totalmente sua percepção ou posição enviesada. Esperar de Lula o abandono da única posição que poderá levar ao equacionamento dos problemas e ações comuns aos países e povos nelas envolvidos, justificaria exigir as referências a que aludem os críticos. Menos por que o Brasil tenha sido chamado a integrar o cartel internacional do petróleo. Seria rematada imprudência, se preferirmos este termo à palavra burrice, tentar resultado favorável à paz, começando pelas divergências, não pelos pontos em que há razoável concordância. Ademais, quem nos garante que integrando a OPEP, mesmo como apenas observador, Lula não obteria êxito na tentativa de convencer os países ricos em petróleo e gás a substituir gradativamente suas matrizes produtivas dependentes de combustíveis fósseis? Todo apaziguamento deve começar pelos pontos de convergência, se estamos levando a sério nossas responsabilidades.

57 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mudanças conceituais

Vivemos em um mundo em permanente mudança. Não há um só dia em que algo não mude, em todo lugar. As alterações da natureza, em geral lentas, ajudam a caracterizar períodos geológicos e se medem em esc

É possível uma sociedade diferente

As recentes eleições no Reino Unido e na França fizeram renascer sonhos que pareciam sepultados. Por enquanto, as avaliações se têm prendido aos números, sem que emerjam e ganhem a luz solar questões

A sede do reacionarismo

Balneário Camboriú reuniu o que há de mais retrógrado no pensamento político do Brasil e de algumas outras nações. Maior destaque foi dado ao Presidente da Argentina, Javier Milei, e não sem razão. A

Comments


bottom of page