Ciência e ignorância

Nestes tempos de verdade sem evidência, nada melhor que o cultivo da ignorância. Freud e seus seguidores certamente saberiam dizê-lo, não eu, parcos e escassos meus conhecimentos na seara dos estudiosos da mente humana. Felizmente, aos pobres e lamentáveis negacionistas opõem-se os que usam a cabeça não apenas como separador de orelhas. Alguns desses, quixotes de uma época devorada pela inverdade, têm claras as nefastas consequências da supremacia da ignorância sobre a Ciência. Essa, em última instância, a razão pela qual a ONU se empenha em promover a divulgação científica, na expectativa de neutralizar os efeitos maléficos da desinformação proposital, de que resultam as chamadas fake-news, que prefiro referir pelo nome certo - mentira. É esta, todavia, posta em cena não mais como um desvio de conduta eventual, acidental e distraído. Ao contrário, passou a ser estratégia, tática e procedimento oficial, mundo a fora. Daí justificar-se a iniciativa da Organização das Nações Unidas, tão malsucedida na legítima pretensão de civilizar o Planeta. Grupo de divulgadores da Ciência procedentes de vários países produzirão material informativo a ser inicialmente divulgado pela rede Tik-tok. Pelo menos três divulgadores científicos brasileiros já foram convidados, dentre eles a conhecidíssima Natália Pasternak, bióloga e fundadora do Instituto Questão de Ciência. Com ela, figura carimbada nestes sombrios tempos de covid-19 e tantos outros vermes bípedes, estão Gustavo Cabral de Miranda, biólogo integrante da equipe que desenvolve a vacina, da Oxford University; e Rômulo Néris, imunologista pós-doutorando na Universidade Federal do Rio de Janeiro. Todos interessados em divulgar a Ciência neste mar de desinformação, como afirma Pasternak. Que tem Taschner como último sobrenome. Soldados cujas armas promovem a vida, não a morte, esses brasileiros dedicam-se ao melhor combate, cujos rescaldos não se contam entre mortos e escombros, porque garantir a vida de seus semelhantes, de preferência impedindo-os de adoecer, é sua missão. Por enquanto, a divulgação será feita numa só rede. Quem sabe, ganha a primeira batalha contra a ignorância, outros bastiões do inimigo se renderão?

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Senha da morte

Qualquer receita composta a partir de ingredientes ineficazes nada de bom pode prometer. Em relação à saúde humana, os efeitos podem levar a consequências indesejáveis, pelo menos para as vítimas e se

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.