top of page

Chegou antes

Nós últimos dias, não são raras análises políticas preocupadas com a eventual repetição do episódio do RioCentro. Aos poucos que ainda nada sabem daquele ato terrorista, não custa informar. Dois militares da ativa - um capitão e um sargento - foram vítimas da explosão de uma bomba que levavam para explodir naquele espaço público, durante a realização de um espetáculo onde havia dezenas de milhares de participantes. Festejava-se o Dia do Trabalho. Além do sargento morto, o oficial ficou mutilado. A apuração do fato, conduzida por um general, não foi menos que a manifestação de corporativismo e o acobertamento do crime. O assassinato do tesoureiro do Partido dos Trabalhadores, em Foz do Iguaçu, por mais rotineiro que se revele, num certo sentido antecipa o que as advertências imaginavam ocorrerem pouco mais à frente. Não há coincidência entre a conclusão do inquérito feito a jato e os pronunciamentos do Presidente da República e alguns de seus mais influentes subordinados. Apenas alinhamento. Afinal, uns mandam, outros obedecem.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Não fazem falta

Há indivíduos que, ausentes, fazem enorme favor aos outros. Cafu e Ronaldinho Gaúcho organizam um jogo entre veteranos, cuja renda se destinará às vítimas das enchentes do Rio Grande do Sul. Enquanto

O medo da urna

A credibilidade do governador Eduardo Leite afundou de vez nas águas do Guaíba e outros rios. Quando todas as cidades atingidas pelas enchentes baixarem, restará na lama o prestígio do governante. Alé

Provas provadas

A Revista de Saúde Pública, do Instituto Sérgio Arouca, tirou as dúvidas. Nós municípios em que o ex-capitão excluído das forças armadas e tornado inelegível venceu as eleições de 2022, o índice de mo

Comments


bottom of page