Canto iluminado

Atualizado: 16 de jan.

Para Thiago de Mello

Não acendo velas

não as tenho

nem fósforos

que armas não cabem

nos meus bolsos

como cigarros não

dispõem da minha boca

ignoro o tamanho da

alma – a minha e de

quantos mais...

sei porém

da palavra dita

do amor vivido

do silêncio irmão

da sabedoria

das palavras fiz minha arma

do canto a luz

assassina a escuridão.


14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Foi preciso viver oitenta anos, para ouvir de alguém a defesa firme dos meios, relativamente aos fins. Não que se possa esperar diferente, quando quem o disse rende homenagem à tortura e considera

O brasileiro comum mal se reconhece nele mesmo. Por muito tempo iludido quanto à imagem de cordialidade e disposição para o entendimento, bastaram-lhe menos de quatro anos para ver-se de modo diferent

Todo ano, a mesma coisa. Todos sabem da subida das águas e dos sofrimentos impostos aos habitantes da maioria das cidades amazônicas. As cenas emitidas pelas redes de televisão ganham o Mundo e estarr