Bravura dos covardes

Chororô e chantagem mal disfarçada desta vez não deram certo. As mais otimistas previsões foram superadas e cerca de 70% dos membros da Câmara dos Deputados ratificaram a decisão unânime do Supremo Tribunal Federal. Daniel Silveira permanecerá preso, tornada vã a tentativa de estimular o corporativismo de seus colegas ou a chantagem ensaiada. Esta, embutida na lembrança por ele expressa e claramente perceptível de que lá nenhum dos que têm assento traz consigo asas e coroinha. Amanhã, disse o agressor da democracia, é na direção de vocês que o STF dirigirá seu foco. E tentou mostrar-se um igual aos outros deputados, como se a Câmara não passasse do coletivo de falsificadores de documentos, conspurcadores da Constituição, agressores da honra alheia. Quase chorando, Silveira apenas confirmou o que as pessoas mais sensatas dizem a respeito dos amantes das armas: os pequenos artefatos bélicos atribuem coragem aos que dela não dispõem. Arrogante, agressivo, prepotente, o deputado excluído da Polícia Militar do Rio de Janeiro vestiu-se em pele de cordeiro e ofereceu espetáculo patético, resumo de um tempo em que medra todo tipo de covardia. Desta vez, porém, não obteve o mesmo resultado da eleição que o guindou à posição de representação popular. Foi fácil iludir mais de 32 mil eleitores, que 360 dos pares a quem essa paridade parece abominável. Disso dirá o futuro, se o processo na Comissão de Ética da Câmara dos Deputados levar a sério suas responsabilidades. Não se podem ignorar certas peculiaridades do Parlamento, onde as questões sempre haverão de propiciar e provocar muita conversa. O próprio nome do poder o justifica. Isso não quer dizer que é uma fatalidade tudo terminar em pizza, como a verve do brasileiro bem-humorado o diz. Por isso, avançar qualquer palpite sobre o desfecho do caso criado pelos impropérios do parlamentar fluminense, pelo menos por enquanto parece despropositado. Tanto ele pode ver-se lançado às feras e cassado, quanto pode ser encontrada solução mais branda, de que uma suspensão ou advertência se fará tradutora. No primeiro caso, a punição não será novidade para o punido, se observados os registros de seu currículo. Poderá, porém, advertir outros deputados e fazê-los, sem as câmeras de ontem, repetir o chororô de Daniel Silveira. No segundo caso, será ingênuo quem imaginar que a leniência modificará a personalidade, as preferências e o caráter do único beneficiário, o próprio Daniel.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Ingratidão

Deixemos de chorumelas, diria Francisco Milani, conhecido ator brasileiro, morto em 2005. Presidente da República reeleito depois de promover a alteração da Constituição para assegurar o mandato, FHC

O novo assustador

Atemoriza-me mais que tranquiliza a manifestação da maioria dos profetas de nossos dias. Falam em novo normal, e têm dificuldade em apresentar alguma coisa que seja portadora de novidade. A normalidad

Os imprestáveis

A matança de mais de seis milhões de judeus de quase nada terá servido. Como seria prova evidente de ingenuidade exagerada ou rematada ignorância esperar algum bom legado após os milhões de mortos alc

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.