Bois cabreiros

Aposto que a oitiva dos irmãos Miranda (Luís Ricardo e Luís Cláudio), o primeiro funcionário do Ministério da Saúde, deputado federal o outro, na CPI do Senado foi campeã de audiência, na sexta-feira. Sabe-se lá por que motivo, o parlamentar tentou derrubar a república, como antecipara em entrevista dias antes do depoimento coletivo, falando para os onze senadores. Seu objetivo não foi cumprido, mas pavimentou um caminho que pode levar a consequências políticas interessantes. Até mesmo o fortalecimento do que desejava derrubar. Uma delas sendo a eventualidade de instauração de processo de impeachment do Presidente da República. Não são favas contadas, todavia. Por enquanto, o efeito mais visível está na contribuição dada ao esclarecimento do tônus e do caráter do (des)governo federal. Óbvio que mais uma vez se observou o esforço da tropa de choque governista, useira e vezeira na busca de gerar o caos, onde quer que haja interesse governamental em jogo. Cada dia, porém, esse expediente se torna mais inviável, inócuo. Não fosse assim, os índices registrados nas sucessivas pesquisas de opinião sobre o (des)governo e seu chefe seriam mais agradáveis ao Chefe e à sua grei. Em grande medida, as descobertas que pouco a pouco vão sendo feitas concorrem para empurrar tais números para baixo. Com uma circunstância importante, não fosse ela mesma a reiteração de outras situações experimentadas no âmbito do poder. O fogo amigo sempre será mais contundente que o fogo do adversário. É bem o caso. O deputado que socorreu o próprio irmão foi aliado do atual Presidente, e a fé cega ou ingênua nele posta levou-o à frustração. Pensando-o realmente preocupado com o combate à corrupção, Luís Cláudio Miranda se deu o trabalho de, em uma serena tarde de sábado, ia ao Palácio do Alvorada. Lá, na presença do próprio irmão, este incomodado pelo assédio moral de seus superiores do MS, o parlamentar colheu sua enorme frustração. As respostas que esperava de quem pensava movido por bons propósitos, simplesmente não foram dadas. A não ser que consideremos tudo como matemática de sinais trocados. Ao invés de os denunciados serem postos frente à frente com a Polícia Federal, Procuradoria Geral da República e outros órgãos de investigação, foi o denunciante Luiz Ricardo quem se viu acossado pelas autoridades. Tudo devidamente explicado em entrevista coletiva prestada por um réu confesso de crime eleitoral, Ônix Lorenzoni. Enfim, e como dizia um velho e saudoso amigo, boi cabreiro conhece o outro.

6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O prato e o cuspe

Até certo ponto, surpreendi-me com a votação do atual Presidente da República, na eleição de 2018. Logo eu, que pensava não ter mais idade para ser pego de surpresa! Afinal, quase 60 milhões de votos

Nüremberg não pode ser esquecido

Os desafios lançados pelo Presidente da República às instituições não são recentes, como se sabe. Quando ele desejou explodir a usina de abastecimento de água da cidade do Rio de Janeiro, manobras de

O futuro que chega logo

Mais uma vez, a Argentina sai na frente, em relação a nós. Faz dias, parte da população argentina foi às ruas, manifestar-se contra a apropriação, por parte de grupos privados, da água que abastece as