Alemanha não é só Hitler, nem ele só está lá

Faz 3 anos, mais de quarenta intelectuais alemães lançaram documento em que advertiam para os riscos de o Brasil eleger o atual Presidente da República. Mesmo sem mencionar o nome do ex-capitão excluído das forças armadas, o documento fazia referência clara aos pronunciamentos dele ao longo dos últimos dos seus mais de vinte e cinco anos de exercício parlamentar. A propagação de mentiras, os ataques aos direitos das minorias e a incitação à violência repercutiam no cenário político e intelectual da pátria de Göethe. A experiência histórica da Europa, especialmente da Alemanha, inspirou o grupo de manifestantes, que também apelavam ao Judiciário brasileiro e às forças democráticas para que impedissem o que acabou ocorrendo. A análise que os signatários do documento alemão fazem hoje leva-nos a vislumbrar a hipótese de um caminho sem volta, no recuo até os tempos da barbárie. Isso significa ter claros os riscos do País, caso o resultado das urnas não retrate o crescente repúdio da sociedade brasileira ao governo. A propósito, mesmo que as urnas traduzam os anseios que hoje se percebe majoritários, a previsão dos alemães pode manter-se íntegra. Pelo menos, se levadas em conta as manifestações do Presidente, desta vez em derredor do processo eleitoral e o uso de urnas eletrônicas. Só os tolos não se sentiriam ameaçados, diante das levianas restrições feitas pelo chefe do Poder Executivo à lisura da votação. O confronto que ele estabelece com qualquer segmento que não corresponda ao de seus fanáticos seguidores, e que cada dia atinge outros setores até então distantes do cenário político, diz tudo – ou quase tudo. Se não lograr a maioria dos votos em 2022, o candidato à reeleição promete melar todo o processo, quem sabe até repetindo o ridículo e trágico gesto dos seguidores do seu ídolo Donald Trump. Tenha ou não tenha a ver com a política que tenta fazer do Brasil uma pátria armada, o propósito do Presidente deve ser levado a sério pelos que dele discordam. Quando classifica de seu o exército (entenda-se, Forças Armadas), ele acena para a possibilidade de ampliar o uso inadequado das instituições castrenses, reduzindo-as ao papel de coadjutoras de outras organizações igualmente armadas, algo que François Duvalier administrou no Haiti. Os que conhecem o Haiti – mais ainda os que lá estiveram – sabem disso. Pelo menos, mais que eu.

3 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

A Biblioteca Nacional homenageou a violência e reverenciou a barbárie, ao conceder a medalha da ordem do mérito do livro ao deputado condenado pelo STF Daniel da Silveira. Tanto quanto se sabe, e a co

Interessados em cinema, como produtores e diretores mais que espectadores, não terão muita dificuldade, se quiserem lançar filme de violência, mesmo se um bang-bang nos moldes tradicionais. Pelo menos

O qualificativo inscrito no título dá o tamanho da bossalidade que tomou conta do País, sem fazer economia. Tudo feito segundo o modelo de caixa em que se enrolam e embrulham os mais representativos a