A guerra de cada um

A covid-19 venceu a general mais importante nas hostes combatentes do Estado do Amazonas. Nos seus trajes discretos, Rosemary da Costa Pinto não ostentava, mas todos percebíamos, medalhas devidas aos méritos cabíveis a quem cumpriu e bem cumpriu o seu papel. Diretora-Presidente da Fundação de Vigilância em Saúde do Estado do Amazonas, a farmacêutica-bioquímica egressa da UFAM foi abatida quando mais necessária era sua presença no teatro de operações. Incomparáveis sua sensibilidade e sua dedicação à causa de que se fez combatente. Quando se orientou pelo que aprendera nos bancos da escola superior e seguiu orientações fundadas na Ciência, a Diretora-Presidente da FVS-AM fez diferença. Quando desdenhou – quem o dirá? – de sua própria segurança, encaminhou-se para o desfecho trágico ora lamentado. Novamente, fez a diferença. Pôs a vida de seus semelhantes acima da sua. Isso tudo, quando outros seres que se dizem humanos e se supõe feitos do mesmo barro, furam filas, assinam decretos, promovem aglomerações e festejam disfarçadamente os resultados de uma guerra que não foi a dela, Rosemary da Costa Pinto.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

De inoportuno a necessário

A polarização política chegou a um tal ponto que se torna difícil imagina-la desaparecer tão facilmente. É justo reconhecer que muito dela é devido ao estilo do atual Presidente da República, apostado

Na linha de tiro

Cresce a literatura sobre o infausto período histórico de que somos protagonistas e pacientes. Têm-se posto em questão fenômenos relacionados sobretudo à fragilização da democracia. Pouco a pouco, sen

Menu da babugem ou da xepa

Confesso minha dificuldade em atribuir algum adjetivo suficientemente justo para qualificar o desqualificado sinistro da Economia. Ele não é o único nesse governo a reunir desqualidades tão agressivas