Morto - o sonho?

Desta não escapamos

o vírus foi mais forte

forçou-nos a abandonar vocês

não sabemos se deixamos

só que trouxemos conosco

tanta saudade

a falta do beijo sorridente

do neto

a preocupação com o emprego

do filho

o jogo de damas

com o amigo

até o jornal de todo dia


O cafezinho tomado

a horas certas

mesmo o pijama velho

puído quase sem cor

veio conosco e nossas

saudades

não estamos tristes

a tristeza não

cabe em nosso coração

ressequido

exangue


Vale mais saber

menor o egoísmo

desaparecida a ganância

mais humanizados os que

se pensavam humanos

enfraquecido o desamor

removido todo preconceito

pactuada a felicidade

tarefa que a todos

atrai envolve entusiasma

não seja este

sonho incansável

morto junto conosco.






3 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Restos

A carne assada segundo a preferência dos convivas apetite voraz sabor antecipado de gozo estardalhaço alardeando franca e abjeta algaravia vazias as ruas desertas de oxigênio uti’s enfermarias prato f

Gostos e gestos infernais

Há-de gratificar multidão em rebanho transformado transfornada aos gritos “mito, mito, mito!” o grotesco da cena os convivas abutres distraídos carniça facilmente conquistada nos pratos postos dispens

Uma só vez, por favor!

Se não fores ser narcísico em seu próprio umbigo amarrado ouvires ecos terríveis sons pelas lúgubres cordas da morte entoados tiveres olhos lágrimas vertidas frente a milhares de corpos violados tuas

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.