Morto - o sonho?

Desta não escapamos

o vírus foi mais forte

forçou-nos a abandonar vocês

não sabemos se deixamos

só que trouxemos conosco

tanta saudade

a falta do beijo sorridente

do neto

a preocupação com o emprego

do filho

o jogo de damas

com o amigo

até o jornal de todo dia


O cafezinho tomado

a horas certas

mesmo o pijama velho

puído quase sem cor

veio conosco e nossas

saudades

não estamos tristes

a tristeza não

cabe em nosso coração

ressequido

exangue


Vale mais saber

menor o egoísmo

desaparecida a ganância

mais humanizados os que

se pensavam humanos

enfraquecido o desamor

removido todo preconceito

pactuada a felicidade

tarefa que a todos

atrai envolve entusiasma

não seja este

sonho incansável

morto junto conosco.






2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Batalha vencida

Não sendo o rei que caia a torre seteiras e olheiras desmontadas cegas as facas perdidas as setas balas enferrujadas transposta a barra mar aberto clarão desperto em escura noite tanto tempo cultuada

Homem e máquina

Disseram-me: cala-te não me calei. Insistiram: guarda tua pena outras pagarás! Fiz-me surdo. Ameaçaram-me: na tua boca poremos o gosto do fel em tua vida também! Perseverei... Olhos sempre postos no a

Diante do pelotão

Nossos modos de ver o mundo separam-nos mais que dois mil quilômetros de coloridas águas tornaram meus olhos secos ao ponto de não reterem nem verterem o profundo sentimento de lamentável dolorida ind

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.