Educando-nos


Ah, não fosse dado ao homem

viver tanto...

se não tivesse olhar atento

sempre pronto

não veria desfilar diante

de seus olhos

quanta coisa a doer na alma

ferir o corpo machucá-lo

dispensável pranto

enquanto ensina orienta

inspira aperfeiçoa


de tal sorte o homem assiste

deserto de ideias

campos fartos de amargura

onde é raro encontrar a fruta

madura e boa

não obstante a messe e safra

fartas do que

às vezes mata

sempre tortura


não encontraria abertas

grandes portas

por onde transita

infame gado

zombaria às pisadas

nas ruas de repletas

de levas esfomeadas

desesperançadas


para os quadrúpedes

escancaram-se todas as porteiras

em trafegar livre e solto

mar brilhante

sem procelas

isento de tormento

sem ondas perigosas

e horrores


abrem-se também

nos valhacoutos

amplas janelas

por onde penetram

não mais as reses

da boiada

é acesso reservado

aos seus pastores...


2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quantos 100 cabem em 670 mil? será sempre preciso fazer contas em contagens e vantagens conferidas se de morte se trata ou de poemas quantos darão conta dessas vidas? Quais os que viram sorrateiro e z

Da morte e dos seus tipos As cargas são diferentes talvez Caronte não o saiba nem saber lhe interessa não faltarão valquírias sedutoras à satisfação do Cérbero faminto Jet-sky não transporta cadáveres

Permanecem no ar ruídos e sentimentos deixados na cara de um negro sobre tapetes vermelhos tingidos da cor por pouco não liberada de um rosto agredido uma piada mal posta sendo a luva que armou a mão