Cacos, caos...nada mais

Caçadores amadores

colecionadores

símbolos do caos

que nos domina

construção feita de cacos

em que a humanidade se

elimina

despedaçados

seres humanos

pés bem mergulhados

no lodaçal pouco a pouco

submerso

base de pátria que se alega

amada, em que o sonho

se faz só subverso

onde falta alma

alheia à lama

triste mal-amada

regurgita ao engolir

a pátria armada

a lama que sepulta

esperanças mais que vida

desesperadas almas em agonia

aborto nem nascido prematuro

desce aos infernos

escada cavada a

cada novo dia...

no passado que se faz

futuro.

Manaus, 14 fevereiro 2021



0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Quantos 100 cabem em 670 mil? será sempre preciso fazer contas em contagens e vantagens conferidas se de morte se trata ou de poemas quantos darão conta dessas vidas? Quais os que viram sorrateiro e z

Da morte e dos seus tipos As cargas são diferentes talvez Caronte não o saiba nem saber lhe interessa não faltarão valquírias sedutoras à satisfação do Cérbero faminto Jet-sky não transporta cadáveres

Permanecem no ar ruídos e sentimentos deixados na cara de um negro sobre tapetes vermelhos tingidos da cor por pouco não liberada de um rosto agredido uma piada mal posta sendo a luva que armou a mão