top of page

Baryshnikov do asfalto



Olhares convergentes

não se cruzam na rua da

periferia

dirigem-se ao bailarino

improvisado

a necessidade de sobreviver

empurra o sangue

por artérias e veias

entumescidas

braços e pernas

movimentos desconexos

desconjuntados

Carlitos relembrado no

negro traje

a que não falta

luminosidade

ornamentos prateados

luar talvez o sol

cada dia mais escasso

como a generosidade

periférica

em trânsito apressado

de ruas malcuidadas

buracos também

na vida atribulada

como no palco

de asfalto


dois reais gratificam

irreal realidade

talvez preâmbulo

do assalto

ao bailarino de rua

a cada mal e desconjuntado

salto

vida na via exposta

sempre assaltada

nua e crua.


Manaus, 31-03-2022.


5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Desperdício

José Seráfico Não se admirem se alguém disser que isso é normal nem se surpreendam com a indiferença diante de tanto mal o que se tem feito à infância às velhas e velhos às mulheres aos negros promoçã

Quando e onde

Quantos serão os mortos? Onde explodirá a próxima bomba? Quando? Quantos se juntarão às centenas de milhares o vírus armado de natural letalidade cumprindo parte da tarefa a que outros (vírus ou verme

Porvir anunciado

Quero comer todo dia sonho com vida feliz o direito de sorrir é isso o que o povo diz e vê no que está por vir quando janeiro surgir De Porto Alegre, Florianópolis, dos Pampas, de Curitiba do Acre e d

Comments


bottom of page