Vida e lucro

Sem vida não há consumo. Indesejável é o último bem consumido por todos, não mais que o caixão mortuário. Aos vivos o consumo corresponderia à satisfação de suas necessidades, quaisquer sejam elas. Vivo, precisa-se de ar. Aproveitemo-lo, enquanto governos e especuladores não conseguiram fazer dele o mesmo que fizeram com a água! Também precisamos, todos, da energia que põe em funcionamento nossos órgãos. Nem todos, porém, conseguem alimentar-se. Sem escola, dificilmente superamos nossa própria condição de animalidade. Permaneceremos presas do instinto, como a hiena e o urso, onde quer que estejamos. Lazer e esporte são demandados pelos vivos, se os incomoda a sobrevivência, ao invés da vida. Vida plena como a reivindicam todas as religiões, teorias políticas, ideologias. Quantos de nós nos temos dado conta do verdadeiro embate? Quais os valores (por favor, esqueçam por enquanto os cifrões!) que orientam nossas escolhas? É esse o pano de fundo trazido pela pandemia, nos tristes e sombrios dias que vivemos, indiferentes à origem, à etnia, à conta bancária, à atividade exercida, às preferências individuais - ideológicas, sexuais, estéticas. Tripulantes todos do mesmo barco. Entrega-lo às mãos de Caronte ou pô-lo sob o timão de Sagres é escolha nossa, da sociedade dita humana. Como escolher comando e direção, se sequer sabemos aonde desejamos chegar? Não são só os gigantescos adasmatores postados nas esquinas oceânicas, nem abrigados nas profundezas, muito menos as sereias e seus cantos sedutores, a perturbar a viagem. Convivem conosco, misturados nos conveses sujos, apodrecidos, seres humanos generosos, solidários, compassivos. Como os há, egoístas, prepotentes, arrogantes. No entanto, navegar é preciso. Encontrar o lugar ainda não localizado, fazer dele o abrigo seguro de nossos corpos e, mais que tudo, de nosso completo ser – será o parágrafo primeiro de nossa carta de navegação. Sem isso, teremos falhado como gente. Autocondenação a desmentir, espezinhar, triturar, o que se pensava condição humana.

4 visualizações1 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Direito de expressão e charlatanismo

Para dizer o menos, foi inoportuna a nota divulgada pelo Centro de Comunicação Social do Exército, a propósito de matéria publicada no semanário Época. Assinado pelo jornalista Luiz Fernando Vianna, o

Onde estão os amantes da vida?

Em meio à tragédia generalizada, Manaus ganha destaque nos media. Aos escândalos ligados à aquisição de equipamentos médicos necessários e medicamentos ineficazes, que governos estaduais e o federal t

Amazonas pós-pandemia

Veio, mais uma vez, da Ciência e dos que acreditam nela e a produzem, o melhor que poderia acontecer. A decisão unânime da Agência Nacional de Vigilância da Saúde- ANVISA em favor da aplicação emergen

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.