Um poeta ao telefone

Ao toque do telefone, interrompo minha tarefa. O texto em elaboração é provisoriamente abandonado, porque me agrada ouvir o poeta. Este, sim, poeta maiúsculo, íntimo das musas, primo-irmão das encantarias. Do outro lado da linha, a voz distante não precisa identificar—se. Ela se basta – e basta aos ouvidos deste que, incapaz de ouvir estrelas, não é surdo aos versos, amigo absurdamente privilegiado dos que os fazem. É Jesus, aquele que ouço. O que, dele sendo o sagrador, se não cabe prover de pães, mas de Poesia, traz a fronte coberta dos louros triunfais. Não o triunfo medido em vidas subtraídas, roubadas, tornadas cinzas e pó. O que move um poeta, encantado por definição e mister, a privilegiar os que não chegarão, sequer, a um dia ser sua paródia? Caiba aqui, para muito além da amizade envelhecida e purificada pelo calendário, a reciprocidade dos sentimentos. Acobertada pela cumplicidade de propósitos e pela posição de que olham o mundo. O sem-fio da telefonia, a distância geográfica que os aproxima, poeta e paródia, desfazem-se nas ondas, sejam curtas, sejam médias, sejam longas. Contam, no momento como em tantas outras passagens da vida de ambos, a vida com que foram contemplados. E da qual, com ou sem propósito definido, vida composta de versos e reversos, mais que o proveito material, tiram a seiva dela mesma: a vida servindo à Vida; a Vida enchendo de encantamento os dias de cada um. E sabendo que, cedo ou tarde, porque o cedo de uns é o ocaso de outros, os vaticínios serão cumpridos. Das profundezas onde moram os encantados emergirá o encantamento que será de todos. De pães todos serão saciados. Haverá loureiros a prover de folhas a coroa com que todos serão cobertos.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Impacto de um livro

A leitura de um livro sempre gera efeitos sobre o leitor. De tal sorte que só por desinteresse ou insensibilidade ele vê o Mundo da mesma forma, depois de lê-lo. No meu caso, sempre que a obra tem imp

Dignidade

O culto à tortura tem sido uma das marcas do Presidente da República. Há quem veja na reiteração da perversão tornada conhecida quanto ele era deputado, simples estratégia. Suas declarações serviriam

Da votação aberta e da democracia

Manaus, 25 de abril de 2003. De: Manuel S. Lima Editor de Política do Jornal Diário do Amazonas Ao Cientista político José Seráfico 1) Qual é a sua avaliação sobre o fim do voto secreto, já aprovado n

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.