Tudo será fake-news


Reconheça-se o esforço dos comunicadores das redes de televisão para levar aos telespectadores informações relevantes sobre o cotidiano de todos. Entendam-se as inevitáveis dúvidas que eles mesmos mantêm, diante da pluralidade de (admitamos o lugar-já-comum) narrativas. Nenhum dos fatos noticiados e comentados, contudo, tem o mesmo grau de ineditismo atribuído à covid-19. Tanto, que os pesquisadores, autoridades públicas e os meios de comunicação debitam a um novo coronavírus a pandemia ora enfrentada. (Desculpe o leitor, se não usei o verbo assolar, usado nem sempre adequadamente). A novidade da cepa, no entanto, não afeta o cenário mais amplo, nem tem força para revogar constatações anteriores, referidas a todas as relações sociais.

Ainda hoje, o âncora do Jornal do Amazonas (Rede Amazônica), jornalista Amaral Augusto teceu consideração absolutamente avessa à realidade com a qual convivemos. Referia-se ele ao que chamou insegurança jurídica, de que padecem os negócios profundamente dependentes dos estímulos, incentivos e favores característicos da zona franca. Entende Amaral que “quando a Zona Franca vai bem, os trabalhadores também vão”. Não sei em que bases de dados o jornalista foi buscar essa relação positiva entre os lucros auferidos por uns poucos e a ínfima parcela que chega ao bolso dos trabalhadores. Suponho ser do conhecimento dos profissionais da comunicação o grau de desigualdade registrado entre nós, de que dão conta os problemas sociais com os quais nos defrontamos diariamente. Todos eles mencionados nas melhores fontes, não bastasse o testemunho presencial dos que vivem aqui e têm olhos de ver. Fosse uma questão secundária, o juízo de Amaral passaria despercebido, sobretudo pelo telespectador eventual ou desatento. A um observador interessado nos problemas sociais e preocupado com os efeitos da desigualdade resultante do processo de acumulação, porém, a abordagem equivocada desafia. Desafiado, o telespectador há de perguntar-se: quais as fontes consultadas pelos jornalistas, como subsídio às atividades típicas de seu exercício profissional? Sem criteriosa coleta de dados em fontes acreditadas, e sem interpretação desses d m b ados e informações produzidas, tudo acabará por tornar-se fake-news.

1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Sem zona

Proposta do Prefeito de Belém, Edmilson Rodrigues (PSOL) assegurou renda básica de R$ 450,00 aos vulneráveis, durante a pandemia. A decisão teria sido unânime, se uma das vereadoras não tivesse tido p

Trágica parceria

Tinha assento no falecido CDES-Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República, quando a proposta de criar parcerias público-privadas estava sob os holofotes. Boa coisa, pre

Comparação

Aos fissurados por números, talvez valha comparar. Cuba, com pouco mais de 11 milhões de habitantes, registra menos de 20 mil casos (0,19% da população) de covid-19, dos quais morreram 180 (0,9% dos

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.