TEORIA E PRÁTICA NO CRISTIANISMO

O Brasil não pode mais ser considerado um dos países mais cristãos do mundo. Com alguns milhões de brasileiros católicos e evangélicos caminhando na esteira da violência, do ódio e da vingança, o cristianismo perde força, passando a ser um pensamento sem prática.

Sim. O pensamento se torna uma prática quando se concretiza num discurso ou numa ação concreta, estabelecendo uma relação dialética de desenvolvimento. Não existe uma dicotomia entre teoria e prática, mas uma interação chamada práxis, onde ambas se refletem e se desenvolvem.

Quando alguém se diz cristão e faz o discurso da violência, esse discurso já é uma prática que se reflete na sua vida e interage com seu grupo social e/ou com toda a sociedade. Ou seja, não há pensamento cristão se tornando uma ação concreta. De concreto, só a negação do cristianismo, que tem no Novo Testamento o princípio da paz e a negação da vingança.

Neste sentido, a doutrina cristã é esquecida por alguns milhões de falsos cristãos, que na prática constroem ações reais de negação do próprio cristianismo.

A situação desse estrato religioso se assemelha à existência do Estado Islâmico, que se esconde no discurso enganoso da religiosidade para difundir a prática da violência, focando as populações pobres, mulheres e crianças como vítimas.

Infelizmente, é isto que está posto a nu neste momento da vida no Brasil. De certa forma, além da violência e da ameaça à civilização, a hipocrisia e o cinismo são colocados às claras, sem temor ao tão falado Deus e ao próprio pecado da mentira e da intolerância.

A apologia à tortura, a ameaça à vida, o preconceito, não são pensamentos e práticas cristãs. Quem se regozija com isto carrega os piores sentimentos construídos nos tempos da barbárie, quando o homem e a mulher ainda não tinham descoberto a ternura e o amor como estética da vida.


Lúcio Carril

0 visualização

Posts recentes

Ver tudo

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.