top of page

Soprando a brasa

Os advogados do ex-capitão excluído das forças armadas e tornado inelegível querem que o Tribunal de Contas da União devolva as jóias de que seu cliente se diz proprietário. A interpretação propositalmente enviesada da legitimidade da propriedade parece não passar pela cabeça dos (neste caso, sim) operadores do Direito. Não se descarte a alteração do parecer anterior do TCU. Isso forçaria a retenção, pela autoridade tributária ou policial, dos produtos contrabandeados. Que, pelo interesse de seus pretenso donos, poderia tê-los no leilão frequentemente realizado pela Aduana.

Há quem veja a nova postulação dos advogados como um sopro na brasa quase apagada da grei fanática do principal suspeito. Uma espécie de canto do cisne. Ou do corvo?

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Vacina necessária

Logo os negacionistas protestarão. O que lhes pode interessar, diante do anúncio da celebração de um acordo entre laboratórios, para a criação de uma vacina anti-mal de Alzheimer? Só quem nada sabe so

Convívio versus hostilidade

Está lá, na página 41 da edição da última quarta-feira, no Estadão. O artigo em que o festejado antropólogo Roberto da Matta coloca interessante e oportuno dilema. Entre os que convivem em paz e integ

Símbolos

Vera Rosa, colunista do Estado de São Paulo, considera as enchentes do Guaíba a covid de Lula. Não destaca a diferença de conduta do triPresidente, em relação ao seu antecessor. Mas elege três símbolo

Comments


bottom of page