top of page

Silêncio por Zezinho

Calam-se os tambores

paralisam-se os ponteiros

dias tão pouco

alvissareiros

reúnam-se todas as

tribos

esmagadas

em período de

horrores

dentro do peito

ardem as mesmas chamas

desprovidas de respeito

subtraídos tantos

sons

tantos sonhos interrompidos

mil amores

desarvorados

árvores tombadas

semelhante virulência

por violência a floresta

desflorada

devastada a consciência


Tic-tac

de vida tão incerta

como a esperança

deserta consciência

em nós não mais que

instiga e desperta

o desdém que tudo enseja

mais se o faça

menos se o diga

na fatal concupiscência

que nos remete

às formigas


Vai-se a voz

leva o tambor

que verberava

em clamor pungente

da floresta

pedindo ao amor sobrevivente

evite a dor

de falência

como esta.


37 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

O processo e a frustração de mais um golpe*

Por mais absurdo que possa parecer, o golpe tentado e frustrado em 08 de janeiro de 2023 nasceu há pelo menos três décadas. Quase quarenta anos, na verdade. Essa é hipótese que não pode ser descartada

Primeira carta a um jovem poeta

Pedro, caro e jovem amigo, Veio a calhar o nosso encontro do último sábado. Se nada de extraordinário houve na acolhida que lhe proporcionei e no café que Pessoa nos fez sorver, o pouco tempo de conví

O todo e as partes

Consulto o pai eterno de todos, o dicionário. Lá aprendo que são dados nomes às coisas para que elas mantenham sua individualidade, sejam conhecidas por suas peculiaridades. Pelos traços e característ

Comments


bottom of page