top of page

Sem ar

Ambula

a maldita

mais que todos

se longe encontra

safra abundante

nem seria preciso

seguir longa prática

ambulante

ao seu redor

mostra-se frágil

ao desabrigo

o vizinho o parente

o pai o filho

mulher marido

o aderente o sogro

e o amigo


Cuida-se às pressas

montagem ávida

do vil proscênio

máscaras sem pano

na face impávida

tolerância quem sabe

cúmplice

quando nos falta

oxigênio

o quanto baste para quem

mata


1 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Desperdício

José Seráfico Não se admirem se alguém disser que isso é normal nem se surpreendam com a indiferença diante de tanto mal o que se tem feito à infância às velhas e velhos às mulheres aos negros promoçã

Quando e onde

Quantos serão os mortos? Onde explodirá a próxima bomba? Quando? Quantos se juntarão às centenas de milhares o vírus armado de natural letalidade cumprindo parte da tarefa a que outros (vírus ou verme

Porvir anunciado

Quero comer todo dia sonho com vida feliz o direito de sorrir é isso o que o povo diz e vê no que está por vir quando janeiro surgir De Porto Alegre, Florianópolis, dos Pampas, de Curitiba do Acre e d

Comments


bottom of page