top of page

Símbolo mais que trágico

O assassinato de um homem por membros da PRF em uma cidade nordestina marca apenas a índole dos que controlam a administração pública brasileira. É só mais uma das muitas ocorrências que se vêm repetindo, Brasil adentro. Algo que, por rotineiro, já parece incorporado ao cotidiano da população, anestesiando-a e aparentando legitimação inadmissível. Não pode surpreender, contudo, os inconformados com a intenção de substituir o argumento pela violência, como proclamam, estimulam e defendem ocupantes de poderosos gabinetes da República. Não é simples coincidência o fato de um homem portador de doença mental ter sido morto poucos dias depois do massacre que matou mais de 20 pessoas, em favela do Rio de Janeiro. Esta, mais uma das muitas chacinas promovidas por agentes policiais, oficializando a pena de morte que a Constituição Federal proibe. Neste caso, também não há motivo de surpresa, ainda mais pelas homenagens e afagos do próprio Presidente da República aos matadores. Não é demais lembrar o simbolismo do assassinato praticado pela PRF, que transformou o porta-malas do veículo oficial em um Buchenwald itinerante. Ratifica-se, assim, o equívoco de considerar a vitória da democracia, face ao nazismo. Este fez escola, espalhou-se pelo Mundo e impõe seus métodos e valores.

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Não fazem falta

Há indivíduos que, ausentes, fazem enorme favor aos outros. Cafu e Ronaldinho Gaúcho organizam um jogo entre veteranos, cuja renda se destinará às vítimas das enchentes do Rio Grande do Sul. Enquanto

Prioridades

Pelo menos não se pode acusar o governador Eduardo Leite de insincero. É possível que nele se tenha manifestado o que meu velho e saudoso mestre de Direito Penal Aldebaro Klautau chamava oasis de honr

RS: É HORA DE FALAR DOS CULPADOS

A tragédia no Rio Grande do Sul não pode ser atribuída somente à mudança climática, como se ela tivesse batido na porta sem avisar. Em 2015, ainda no governo Dilma, a Secretaria de Assuntos Estratégic

Comments


bottom of page