Retrato 18 – Talião 2020

Quase 2.000 anos antes de Cristo, criou-se o conceito do jus talionis. Diferentemente do que muitos pensam, esse segundo vocábulo não é mais que um conceito, ao invés do nome de alguém. Refere-se ao espelho e à sua capacidade de refletir os objetos. Disso decorre o que se chama a lei do talião, impositiva de pena absolutamente igual ao crime cometido. A expressão com que tal princípio se tornou conhecido – olho por olho, dente por dente – dispensa qualquer outro esclarecimento. Modernamente, conhecem-se formas dessa lei, de que o cangaço parece ilustrativo. Contemporaneamente, o preceito anterior ao cristianismo aparece sob outras formas, todas realçando o papel dos justiceiros. Dentre estes, as milícias e outros modi operandi, em geral ligados ao crime organizado. Às vezes, sem que essa organização explicite seus objetivos e, especificamente, os métodos de que se utiliza para colima-los. O assassinato de um homem por dois agentes de segurança do Carrefour, em Porto Alegre, mostra a presença da Lei do talião no Brasil de 2020. Negado pelas autoridades federais, o racismo prospera à sombra do pálio oficial, com o risco até de consagrar a prática do ano 2.000 a.C. A manifestação da sociedade incomodou os justiceiros a tal ponto, que o esforço das instâncias policiais se volta agora para direção que pode resultar na responsabilização da vítima. Tratou-se, na verdade, de clara execução, como o revelam os vídeos que a televisão põe casa a dentro, em todo o País. Mesmo os que desdenham da História e rejeitam a herança escravocrata que trazem consigo, não podem perder de vista o fato de que, qualquer tenha sido ou seja o pretexto, um homem foi morto sob requintes de covardia, submetido a tortura por muitos aplaudida e, pior ainda, sem que os executores dessem ouvidos aos raros que lhes pediam para poupar a vítima de sua bestialidade. Em dois anos retrocedemos dois milênios.

0 visualização0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Direito de expressão e charlatanismo

Para dizer o menos, foi inoportuna a nota divulgada pelo Centro de Comunicação Social do Exército, a propósito de matéria publicada no semanário Época. Assinado pelo jornalista Luiz Fernando Vianna, o

Cenário e simbolismo

Cristiane Rose Jourdan Gomes é o nome dela, ocupante de uma cadeira na Diretoria Coletiva da Agência Nacional de Vigilância em Saúde - ANVISA. Na memorável sessão de ontem, em que foi unanimemente a

Anunciada...mas nem por isso

A forma como a covid-19 vem sendo encarada pelo governo federal responde pela tragédia que já matou mais de duzentos mil brasileiros, e ainda matará não se sabe quantos mais. O desespero que tomou con

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.