Reflexões de um velho ocioso

A aparência das dezenas de altos funcionários das empresas envolvidas nas falcatruas que a Operação Lava Jato desvenda sugere-me sentimentos contraditórios. Um, o de profundo nojo; outro, o de compaixão. Talvez esse tumulto interior seja devido ao avançar da idade, quando a ânsia por sermos bons substitui o desejo de sermos justos. Talvez, ainda, por verificar quanto o propósito de julgar acaba empurrando-nos para a área própria dos justiceiros.

Sei que nojo e ódio não são a mesma coisa. A convivência desse sentimento com o da compaixão parece mais ajustável. O ódio não cede espaço à compaixão.

É mais fácil, nas atuais circunstâncias em que nos encontramos neste país que ainda não se encontrou, ter nojo. Creio que todos os brasileiros o têm, pouco que seja; inconscientemente que seja. Também sei quantos aproveitam essas circunstâncias para destilar o ódio que consome suas entranhas. É uma forma de dividir o veneno inoculado em seu organismo com os inimigos selecionados por seu desejo de vingança.

O que me leva à compaixão, porém, é a suspeita de que muitos dos implicados na ladroagem no fundo não são maus. (Como ninguém é totalmente mau ou totalmente bom). Desatentos para as coisas do mundo, sobretudo valores, sentimentos, afetos podem ter-se deixado fisgar pelo que imaginavam uma carreira exitosa.

No conceito de êxito, ou sucesso, a perspectiva de enriquecimento material os terá feito esquecer outras formas de enriquecimento. Deslumbraram-se com a sedução de bons salários, gabinetes suntuosos, facilidades e comodidades atraentes – tudo o que pensavam constituir-se excelência no desempenho profissional.

Hoje, quantos deles refletirão sobre a vesguice de seu olhar, que ignorou tudo quanto não apontasse para a errônea concepção de êxito? Fizeram o que lhes pedia ou mandava quem lhes pagava os salários e punha à sua disposição o que à maioria dos seus contemporâneos, colegas e pessoas de seu próprio círculo de amigos e familiar é negado, e agora têm sua imagem associada ao crime.

Como ter ódio de seres que se apequenaram e hoje são objeto do repúdio da maioria dos membros da sociedade? Como não ter nojo do que eles fizeram? Como não se compadecer desses incautos, que não entenderam a tempo que a felicidade tem muito pouco a ver com o enriquecimento puramente material?

Eis como pensam os velhos! É certo que nem todos. Basta que algum pense assim, e que haja dentre os jovens os que não fazem ouvidos de mercador. A esperança não é perdida, porque eles ainda existem.

4 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Impacto de um livro

A leitura de um livro sempre gera efeitos sobre o leitor. De tal sorte que só por desinteresse ou insensibilidade ele vê o Mundo da mesma forma, depois de lê-lo. No meu caso, sempre que a obra tem imp

Dignidade

O culto à tortura tem sido uma das marcas do Presidente da República. Há quem veja na reiteração da perversão tornada conhecida quanto ele era deputado, simples estratégia. Suas declarações serviriam

Da votação aberta e da democracia

Manaus, 25 de abril de 2003. De: Manuel S. Lima Editor de Política do Jornal Diário do Amazonas Ao Cientista político José Seráfico 1) Qual é a sua avaliação sobre o fim do voto secreto, já aprovado n

Arquitetado e Produzido por WebDesk. Para mais informações acesse: wbdsk.com

Todos os Direitos Reservados | Propriedade Intelectual de José Seráfico.